Vereadores “travam” votação de Projeto e atrasam o desenvolvimento de Primavera
Fullbanner1

Fullbanner2


Vereadores “travam” votação de Projeto e atrasam o desenvolvimento de Primavera

Fonte:
SHARE

Os vereadores Edegar dos Santos, Paulo Donin e Carmem Betti Borges, mobilizados pelos também vereadores Estaniel Pascoal e Messias Cruz Nogueira, o “Messias Di Caprio”, assinaram uma Emenda lida em plenário durante a sessão Ordinária da segunda-feira, 23, a qual obrigatoriamente fez com que fosse retirado da pauta o Projeto de Lei 551, que dispõe sobre alteração em Zona Industrial de Primavera do Leste, permitindo a construção de comércios e residências, o que contribuirá diretamente com o desenvolvimento da cidade.

O Projeto de Lei já vem sendo motivo de muita discussão e desde o ano passado se encontrava nas mãos do vereador Estaniel Pascoal, que era o presidente da câmara, mas simplesmente o “engavetou”. Neste ano, com o avanço na construção civil e a necessidade da implantação de novos loteamentos residenciais e empresas de prestação de serviço na região da “Chácara Fontana”, que fica às margens da MT 130 no sentido Primavera a Paranatinga, estes vereadores ainda continuam a impedir o andamento legal do Projeto.

Ao longo da sessão Ordinária, Estaniel Pascoal tentou se justificar por diversas vezes, mas não convenceu quanto às suas motivações. O que se sabe é que ele tem desavenças pessoais com pelo menos um dos empresários que irá investir no local onde a alteração no mapa será feita.

Ele também disse que “pretende conhecer melhor o conteúdo do Projeto”, mas foi imediatamente contestado pelo vereador Antônio Marcos. “O Projeto está desde o ano passado com o senhor e vossa Excelência ainda não teve tempo de analisar. Que engraçado essa colocação”, comentou.

Quanto a outro vereador contrário, o Messias Di Caprio, que é suspeito inclusive de ter feito uma gravação às escondidas com o então candidato à presidência da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho, para depois entregar este conteúdo aos demais deputados, nos quais Botelho criticava a classe política do estado, também entrou na polêmica.

Messias chegou a questionar recentemente a conduta dos vereadores que foram até a empresa de um dos empresários que possui loteamento na área a ser beneficiada com a alteração no projeto. Comentou a respeito de Volnei Lorenzzon, líder do prefeito, “ter sido feito pelo empresário”, deixando no ar qual o real intuito da citação.

Messias acompanhou Pascoal na apresentação de um Requerimento constituindo uma Comissão para estudar se há ou não pessoas jurídicas instaladas na área da Chácara Fontana, mas a proposição foi derrubada pela maioria dos vereadores.

Messias foi defensor também da Emenda lida por Pascoal e anexada ao Projeto para ser encaminhada à Comissão de Justiça.

Edegar dos Santos foi outro que não conseguiu convencer à Casa ao dizer: “não sou contrário ao desenvolvimento da cidade, mas precisamos analisar com muito cuidado e levantar a real situação dos empresários que estão no local. Sou favorável a firmarmos um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) junto com o Ministério Público”, frisou.

Foi rebatido nessa afirmação por Léo Bortolin que lembrou: “o senhor e o vereador Paulo Donin fizeram uma denúncia ao Ministério Público, que não foi acatada. Portanto, parece totalmente desnecessário qualquer Termo de Ajuste no referido Projeto”, avaliou.

Diante da apresentação da Emenda o Projeto 551 deverá voltar à pauta na próxima sessão e a população continua a se perguntar sobre os interesses destes vereadores em não permitir as alterações que vão proporcionar a expansão da cidade e o desenvolvimento da economia local.

Montreal