Valtenir e seus aliados estrelam: ironias do destino
Fullbanner1



Valtenir e seus aliados estrelam: ironias do destino

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Arquivo Pessoal/ Facebook

O deputado federal, Valtenir Pereira, que novamente trocou de partido e retornou ao MDB, nos últimos dias, anda bravo junto a seus aliados e unido a eles estão chamando de “golpe” a limpeza sem misericórdia procedida pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, em Mato Grosso. O cacique destituiu do cargo, nesta início de semana, o então secretário-geral do partido em MT, Milton Simplício, assessor de primeira hora de Pereira. De imediato, Milton lançou nota pública onde diz ‘repudiar de forma veemente a atitude do presidente da direção nacional do PSB (…) que rasgou o estatuto do partido ao desrespeitar a decisão unânime dos membros filiados do PSB em Mato Grosso, destituindo todos integrantes da chapa’, ou seja, o grupo de Valtenir.

Quem deve estar rindo de doer a barriga desta história em relação a Valtenir e sua mágoa Siqueira são os deputados federais, Fábio Garcia (DEM) e Adílton Sachetti (PRB), além do ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (DEM). Isto porque, Valtenir foi o artífice exatamente do que sofre agora quando em junho de 2017 articulou junto a direção nacional o comando estadual da sigla para si, o que levou a queda de Garcia e todo o grupo que construiu o partido em Mato Grosso nos últimos anos. Oficialmente, Siqueira indicou que a atitude era por desobediência partidária, quando “Fabinho” votou a favor da Reforma Trabalhista, a contragosto da agremiação.

Agora, Siqueira novamente mostrou seu modo de fazer política e se rendeu aos encantos do grupo do governador, Pedro Taques (PSDB), e dará o partido nas mãos de Max Russi, atual deputado estadual, que levará a sigla diretamente para o ninho tucano para encorpar o projeto de reeleição do atual chefe de Executivo Estadual. Valtenir volta a ser “mais um” no MDB, apenas um pouco mais desgastado politicamente e também frente a opinião pública do que a última vez que lá esteve. Já Siqueira, que já teve o que queria com o grupo de Valtenir: os votos dos delegados de Mato Grosso para se manter na cadeira maior do partido, onde moram muitas benesses, mirou agora sua metralhadora para o lado do mato-grossense e mandou um recado forte.

“Decidimos suspender a direção de Mato Grosso porque a situação ficou grave por tudo que o senhor Valtenir Pereira fez. Inclusive detectamos diversas irregularidades na direção”, cravou Siqueira, num claro tom de intimidação a Pereira. A situação do deputado federal de Mato Grosso parece a daquele sujeito que se envolve com mulher casada até tomá-la do marido, achando que morava neste último a causa da insatisfação da donzela. Um pouco a frente na história, porém, chega em casa e não encontra a nova esposa. Vê apenas um bilhete em cima da mesa com os dizeres: “me apaixonei por outro, fui embora”.  O mundo gira…