Técnicos e jogadores protagonizamduelo de ex-tricolores no clássico
Supermoveis



Técnicos e jogadores protagonizamduelo de ex-tricolores no clássico

Fonte: Laura Bernardes (*)
SHARE

Neste sábado, o Mineirão receberá um clássico mineiro de
ex-tricolores. O azul e branco Cruzeiro e o alvinegro Atlético-MG têm em comum jogadores e treinadores que defenderam os mesmos times. E que estarão em lados opostos no jogo válido pela 10ª rodada do Campeonato Mineiro. Pelo lado cruzeirense, os atacantes Rafael Sobis e Thiago Neves, ex-jogadores do Fluminense. Pelo lado atleticano, os centroavantes Fred e Rafael Moura, que também já jogaram pelo time carioca. Na beira do campo, mais dois ex-tricolores: os técnicos Mano Menezes e Roger Machado, ambos com passagem pelo Grêmio.

+ Thiago Neves quer repetir foto ao lado de Sobis: sem camisa e com cerveja

Começando pelo dono do mando de campo, o Cruzeiro ganhou o
reforço de Rafael Sobis na temporada passada. Thiago Neves chegou este ano,
como a principal contratação para o time da Toca da Raposa. Rafael Sobis, contratado pela Raposa em meados de 2016, jogou nas Laranjeiras entre 2011 e 2014. Thiago Neves teve duas passagens pelo tricolor
carioca: uma de 2007 a 2008 e outra de 2012 a 2013. Juntos foram campeões brasileiros em 2012.

Pelos lados do Atlético-MG, o atacante Fred também estava naquele título tricolor, ao lado dos agora adversários. No Galo, ele chegou em 2016
como a grande contratação da temporada. Rafael Moura, também campeão em 2012, voltou
este ano ao clube que o revelou para, enfim, ter uma oportunidade no elenco principal. Fred, grande ídolo
do Tricolor, defendeu a equipe de 2009 a 2015. 

+ Rafael Moura elogia fase de Fred e faz “lobby” por dois centroavantes no Galo

Thiago
Neves, Rafael Sobis e Fred, inclusive, eram escalados juntos com frequência. Em
outras tantas situações, Rafael Moura substituiu Fred e Sobis. Neste sábado, serão dois para cada lado. Três deles como titulares – Rafael Sobis e Thiago Neves vão enfrentar Fred, enquanto Rafael
Moura ainda busca por um espaço como titular.

Mano estrategista

Entre
2005 e
2007, Mano Menezes comandou o Grêmio em 169 jogos e obteve
aproveitamento de 59,5% (89 vitórias, 35
empates e 45 derrotas). No último de trabalho, chegou à decisão da
Libertadores, perdendo-a para o Boca Juniors, da Argentina. Na avaliação
do comentarista da RBS, Mauricio Saraiva, a maior característica
do treinador é a estratégia tática. Saraiva reforçou os feitos de Mano
no
Grêmio no ano de 2006, quando a equipe tricolor bateu o principal rival,
o
Internacional, que era melhor taticamente.

– Aqui do Grêmio, o Mano foi um cara que inventou, em 2006, o
lateral direito no meio de campo.
Foi uma sacada que resultou em dois empates e deu o título ao Grêmio,
que era muito
inferior tecnicamente ao Inter. Foi uma sacada de ter encontrado um
lateral direito no meio campo e causar uma confusão com o Abel Braga
(então treinador do Inter). Em 2005, não
se destacou como estrategista. De 2006 em diante teve papel maior de
protagonista tático. O ano de 2007 foi o melhor por ser vice da
Libertadores em
uma campanha extraordinária em casa. Carlos Eduardo (agora no
Atlético-MG) vinha
da base, Diego Souza no ataque, foi um Grêmio muito seguro
defensivamente que
tinha bom potencial de contra-ataque, e foi no ano de 2007 que chamou
atenção do
Corinthians. Ele foi para lá e subiu o time em 2008 sendo a base da
equipe campeã
em 2009 da Copa do Brasil. É um Mano estrategista desde seu segundo ano
no Grêmio. E, no Cruzeiro, dá resultado muito rápido. Em 2005, subiu o
Grêmio para a Série
A. E nas duas passagens pelo Cruzeiro os jogadores compram a sua ideia
de
futebol, o que não aconteceu no Flamengo. Aqui no Rio Grande do Sul
ainda tem muito
conceito do que fez pelo Grêmio.

“Roger Guardiola”

No comando das equipes, o clássico é gaúcho. Mano Menezes,
de 54 anos, contra Roger Machado, de 41. O cruzeirense é mais experiente, já comandou até a
seleção brasileira. Já o atleticano é tido com um nome promissor no futebol.

A
passagem de Roger pelo Grêmio rendeu
frutos. Em 2015 e 2016, comandou a equipe em 94 jogos e teve aproveitamento de 58,8% – 48 vitórias, 22 empates e 24 derrotas.

Segundo Diego Guichard, repórter do GloboEsporte.com do Rio Grande do
Sul, o estilo de Roger Machado é na mesma linha do treinador espanhol Pep
Guardiola, que comanda o time inglês Manchester City: metódico, perfeccionista
e exigente nos fundamentos e treinamentos.

– O Roger Machado é um
treinador que tenta seguir a linha do futebol moderno, do Guardiola. É
metódico, perfeccionista e exigente nos fundamentos dos treinamentos. Gosta de
um time que tenha controle da posse de bola em relação ao adversário, que tenha
compactação, troca de posições constantes e aproximação. No Grêmio de 2016, no
entanto, não conseguiu manter o grupo motivado e falhou para acertar a
marcação, principalmente das bolas aéreas defensivas. Por isso, acabou
demitido. 

(*) Sob supervisão de Gabriel Duarte e Valeska Silva.