TCE acha janelas e portas “fantasmas” na ALMT
Fullbanner1



TCE acha janelas e portas “fantasmas” na ALMT

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Fablício Rodrigues / ALMT

Os deputados estaduais, Romoaldo Júnior (PMDB), e Mauro Savi (DEM), são apontados por relatório técnico do Tribunal de Contas do Estado – TCE como sendo responsáveis por um superfaturamento de R$ 16 milhões em obras na Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT, concluída no ano de 2015, já na gestão de Guilherme Maluf (PSDB). O tucano, porém, foi o responsável por realizar uma representação externa apontando as irregularidades. Os absurdos chegam a ser hilários.

A conselheira Jaqueline Jacobsen, do TCE, citou que a dupla autorizou pagamento de R$ 33,7 mil para a instalação de portas, mas somente uma de alumínio foi encontrada no local. Ela custou pouco menos de R$ 2,5 mil. Janelas também entraram na planilha de pagamento, mas incrivelmente nenhuma foi achada em levantamento procedido. “À vista disso, nota-se pagamento a maior no montante de R$ 31.285,11. Quanto às janelas, foi comprovado o pagamento do valor total contratado, de R$ 85.991,04. Porém, não foi identificada uma única janela em toda área construída, o que comprova pagamento por serviços não executados”, relatou Jacobsen.

Mauro Savi, inclusive, já está preso, mas por outro motivo. Ele é acusado de liderar um esquema que fraudou o Departamento de Trânsito de Mato Grosso – Detran/MT em R$ 30 milhões. Nesta semana, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou um habeas corpus que pedia sua soltura. E ao ver a possível farra realizada na ALMT das janelas fantasmas, logo vem a cabeça do povo a música de Vinícius de Moraes que dizia que “naquela casa, não tinha teto, não tinha nada…”, mas infelizmente, na vida real, há indícios de corrupção. O “esmero” é só da parte de poucos, “número zero” é a nota que muitos mereceriam receber pelos seus trabalhos e a rua dos bobos é a de todos aqueles que pagam a conta.