Taques alfineta prefeito do paletó, que se perde no contragolpe
Adventista



Taques alfineta prefeito do paletó, que se perde no contragolpe

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Ednilson Aguiar/ OLivre

O governador, Pedro Taques (PSDB), não perde a oportunidade de cutucar seus adversários políticos durante suas falas públicas, algo que já é característico de si desde seus tempos de senador da República. Em evento alusivo ao 5 de junho, onde o mundo comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, o tucano que agora chefia o Executivo Estadual participou de um plantio de mudas de árvores nas margens da  Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), que leva o nome do pai do atual prefeito de Cuiabá, que participava também da solenidade.

Para iniciar seu discurso, Taques falou sobre o frio que faz na capital de Mato Grosso e a necessidade do povo sair de casa com seus ‘paletós’, o que foi entendido por muitos como uma provocação ao fato do prefeito Emanuel, ainda enquanto deputado estadual, ter sido gravado enchendo os bolsos de dinheiro que supostamente seria propina para apoiar o governo corrupto de Silval Barbosa (MDB), no legislativo. Mas Taques não se viu satisfeito e voltou a reiterar a vontade de mudar parte do nome da rodovia em que estavam, exatamente o trecho entre o Atacadão até a Fundação Bradesco, para Rodovia Emanuel Pinheiro / Avenida Ramis Bucair.

“Tenho um pedido a fazer, já conversamos muito sobre isso, vossa excelência é sempre irredutível. Mas tenho certeza que nesse ambiente polar que nós estamos aqui, num frio cuiabano… gostaria de fazer uma homenagem também a Ramis Bucair, que foi outro grande mato-grossense. Não vamos retirar o nome do seu pai, apenas acrescentar”, explicou o governador, enquanto olhava para o atual prefeito da capital para justificar seu interesse em evidenciar o nome do espeleólogo e engenheiro agrimensor, que participou das últimas expedições de Marechal Cândido Rondon, desbravando  Mato Grosso. Responsável por vários mapas do estado, feitos por meio de levantamentos topográficos “in loco”, Ramis morreu de câncer em 2011.

Sentindo-se alfinetado, Emanuel ressaltou, já sem a presença de Taques no local, que há bairros e outras regiões que o governador pode usar para homenagear Ramis e disse que não aceita mudança na rodovia que leva o nome do seu pai. Pinheiro ainda ameaçou dar o troco no governador caso não desista de sua vontade. “Vai nada (mudar o nome da rodovia). É a mais tradicional do Estado e vem o governador com essa falta do que fazer. Se acontecer isto, estou pensando em inaugurar o primeiro crematório de Cuiabá, que será no CPA, com o nome dele. Se ele fizer isto, vou colocar o nome de Cemitério Governador Pedro Taques”, disse, em tom de ironia.

Legislação Federal, no entanto, proíbe que se atribua a logradouros e monumentos públicos o nome de pessoas vivas. Caso o prefeito tenha tentado atribuir “morte política” ao gestor estadual, numa alusão a sua rejeição, segundo pesquisas recentes, e a pouca possibilidade de reeleição, a piada não foi das melhores, até porque piada que precisa de explicação já deu errado. O mais ‘engraçado’ de tudo, porém, é que até outro dia estava sendo classificado como bom o relacionamento do prefeito com o governador, embora o tucano já tenha ressalto por diversas vezes sua aversão total ao partido do primeiro. Veja o que a proximidade de um pleito eleitoral começa a fazer com os atores políticos…