Sinpaig/MT marca presença durante sessão na AL com a presença do governador
Adventista



Sinpaig/MT marca presença durante sessão na AL com a presença do governador

Fonte: Da redação
SHARE
Foto: Divulgação.

A diretoria Sindicato dos Profissionais da Área Meio do Poder Executivo de Mato Grosso(Sinpaig), marcou presença, juntamente com membros do Fórum Sindical na sessão Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL/MT) desta terça-feira (06).

Para o presidente do Sinpaig/MT, Edmundo César Leite, a participação dos servidores do estado é uma forma de mostrar o interesse  dos profissionais da carreira, já que o encontro marca a abertura dos trabalhos da 4ª sessão legislativa da 18ª legislatura.

“Sabemos que o  estado de Mato Grosso hoje  não vive um  bom momento  financeiramente. Mas  temos que acreditar no nosso estado.

 Nem tudo na vida é um mar de flores, porém temos que aprender a conviver com intemperas”, disse Edmundo.

Ainda segundo Edmundo, o principal objetivo é que o governo atenda as necessidades dos servidores, inclusive a valorização salarial, bem como a progressão da carreira e outros benefícios de interesse dos servidores públicos.

 A sessão contou com a participação do governador do Estado, Pedro Taques e vários deputados estaduais.

O governador falou da receita do estado, das despesas, do repasse de duodécimo aos poderes, folha de pagamento do funcionalismo, incentivos fiscais e anunciou que pretende criar um Fundo de Estabilização Fiscal.

A dívida de Mato Grosso, conforme o governador, é de R$ 7 bilhões, valor referente a empréstimos contraídos com autarquias do Governo Federal, como o BNDES e a Caixa Econômica Federal, para investimentos em obras da Copa do Mundo, além de outras dívidas contraídas pelas gestões anteriores. “Devemos 49% da nossa receita corrente líquida”, disse o governador.

Do total da dívida, R$ 1,7 bilhão está dolarizado. Trata-se de uma operação financeira contratada em 2012 com o Bank of América, sujeita à variação do câmbio desde a contratação. Ou seja, quanto mais alto o dólar está, mais alta fica a dívida.