Servidor anônimo detona secretário da Câmara em carta
Adventista

Fullbanner1


Servidor anônimo detona secretário da Câmara em carta

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Assessoria/Câmara

Uma carta anônima, escrita por alguém que se identificou como um funcionário público da Câmara Municipal de Vereadores de Rondonópolis, denunciou em forma de desabafo o secretário legislativo de Administração, cargo hoje ocupado pelo advogado, Eduardo Duarte Weigert, pelo pouco compromisso com as necessidades da gestão da Casa de Leis, bem como por indícios de tentativa de corrupção no relacionamento com fornecedores. O texto foi enviado de maneira oculta aos gabinetes dos 21 parlamentares municipais, nesta semana.

O NMT teve acesso a carta que ainda ressalta que caso não fosse o empenho do atual presidente da Câmara, Rodrigo da Zaeli, intervindo contra os possíveis malfeitos e omissões de Duarte, a coisa estaria pior no parlamento. O secretário é ligado politicamente ao grupo do ex-prefeito, Percival Muniz, de quem foi secretário de governo de 2013 a 2016 e um dos seus homens de confiança. Weigert foi bancado no cargo, inclusive, pelo grupo então do PPS, derrotado nas urnas pelo atual prefeito, Zé Carlos do Pátio (SD), nas eleições municipais de 2016.

Muito se comenta, inclusive, nos bastidores, que a mágoa pelo insucesso eleitoral nunca saiu de Eduardo, que se empenha em articular com vereadores, principalmente os de primeira viagem, retaliações a projetos e iniciativas de interesse do chefe do Executivo Municipal na Câmara, algo oficialmente não assumido por nenhum parlamentar. Na carta bombástica, o pseudo-servidor salienta a falta de itens básicos de limpeza, de papel higiênico no banheiro e outros produtos necessários para a rotina administrativa metaforizando a “sujeira” que Eduardo faz questão de ter ao seu redor.

Segundo o denunciante, o secretário teria pressionando representantes da empresa de de limpeza “Maria Brasileira”, usando o legislativo em busca de benefícios pessoais. O autor da carta ainda salienta a necessidade de expurgar o secretário da vida pública, devido ao acúmulo de “malandragens” envolvidas em sua carreira política. Por fim, cobra dos vereadores que aprofundem nos itens por ele denunciados, fazendo referência que as “garras” de Eduardo são conhecidas desde a época da Prefeitura.

Veja a carta: