Sem função, chefe do Gasp decide tirar posto da PM do Centro
Fullbanner1

Fullbanner2


Sem função, chefe do Gasp decide tirar posto da PM do Centro

Posto da PM no terreno da Antiga Rodoviária deve sair do centro da cidade e ir ao Casario

2
Fonte:
SHARE

Muita gente não sabe, mas ainda existe o tal do Gabinete de Apoio à Segurança Pública – Gasp, que consiste em uma estrutura mantida pelo Poder Municipal, apesar de tal política pública ser responsabilidade do Governo do Estado, e que na mão de Percival Muniz deixou de ser efetivamente um apoio ostensivo em combate ao crime, como era antes de sua gestão, para assumir ares de um grande “cabidão” de emprego para policiais em hora de folga.

No entanto, com a recém lei complementar criada pelo governador Pedro Taques, que dá providências de contratações e pagamentos de hora extras para policiais fazerem turnos a mais que seus plantões habituais, o tal do Gasp fica notadamente sem nenhuma função, a não ser pagar o salário de seu chefe, Anderson Rocha, que está lá desde 2013. A diferença é que, pelo estado, parece que realmente vai ter trabalho duro.

Anderson, depois de três anos no posto e há cerca de um ano colocado na geladeira por Percival, quando o último decidiu camuflá-lo em meio a Secretaria Municipal de Governo, resolveu aparecer no quarto e derradeiro ano de mandato para fazer uma ação de impacto: tirar o posto policial da quadra onde fica o terreno da antiga rodoviária e levá-lo para a Casario.

A ação tem objetivo óbvio, já que os crimes atualmente estão muito mais concentrados ali na rua da 1º Delegacia e onde o pessoal vende artesanato do que no centro da cidade. Bom, deixando a ironia de lado, se a manobra é só para facilitar a venda de mais um terreno público em fim de mandato que isto seja posto à mesa, porque da área nobre do Antigo Aeroporto pelo jeito não sobrará nada.

Realmente, mesmo atolado em uma avaliação negativa frente a população, Percival deve se revirar para conseguir uma reeleição ou ao menos por alguém que segure suas bombas a partir de 2017. Caso quem assuma não goste de coisa errada, o chefe do PPS em Mato Grosso vai ter muita coisa para explicar para a Justiça a partir do próximo janeiro.

Montreal