Seis vigias fazem segurança noturna do Maracanã após furtos no estádio
Fullbanner1


Macropel

Seis vigias fazem segurança noturna do Maracanã após furtos no estádio

Fonte: Raphael Zarko
SHARE

Os furtos num Maracanã às escuras provocam onda de lamentações e
preocupações na sociedade carioca e no mundo do futebol. Dois bustos
roubados – do jornalista Mário Filho, que dá nome ao estádio, e do ex-prefeito do Rio Mendes de Morais -, duas TVs e mais alguns acessórios foram levados de dentro de um complexo
esportivo abandonado. No início da madrugada desta quarta-feira, havia
número maior de vigias no Maracanã.Na
escuridão do estádio, que só não é maior pelos postes que iluminam a
pista de cooper em volta do Maracanã, é possível contar seis vigias em
dois portões. Um no portão 10, na Rua Eurico Rabelo. Outros cinco na
Radial Oeste, próximo ao portão 2. Em motos e num carro particular, os profissionais contratados pela empresa Sunset fazem ronda pelo estádio.

Segundo
a Assessoria de Comunicação da Polícia Civil do Estado do Rio de
Janeiro, estão sendo apuradas na 18ª Delegacia de Polícia (na Praça da Bandeira) furtos realizados nesta
segunda-feira no Maracanã. Já foi realizada perícia
no local. A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro denunciou os furtos nessa terça-feira. Nesta tarde, a Ferj se reúne com empresas responsáveis pela manutenção do estádio. No próximo dia 17 – terça que vem -, a federação carioca tem encontro com clubes do Rio para discutir propostas e eventuais soluções para operar, ao menos temporariamente, o Maracanã.

Veja abaixo as notas da Concessionária Maracanã e do Governo do Estado:”A
Concessionária Maracanã S.A. reitera que em 30 de março de 2016 foi
assinado um Termo de Autorização de Uso (TAU) entre e governo do Rio de
Janeiro e o Comitê Organizador repassando o estádio e o ginásio do
Maracanãzinho ao Rio 2016, incluindo o acervo histórico de exposição que
fica no estádio. Este acervo histórico, no entanto, passou para a
responsabilidade da Suderj (Superintendência de Desportos do Estado do
Rio de Janeiro) em junho de 2016, conforme protocolo anexado,
permanecendo assim até o momento.O
Termo de Autorização de Uso é um contrato que disciplina as regras para
o chamado período olímpico e prevê que as instalações devem ser
entregues exatamente da forma como foram repassadas ao Rio 2016. O
complexo deveria ter sido devolvido à concessionária em 30 de outubro de
2016, o que não ocorreu em função de dezenas de não conformidades já
relatadas ao Rio 2016 e ao governo do estado. Entre elas estão a falta
laudos que atestem a integridade da cobertura e do gramado,  a mudança
na numeração das cadeiras, a falta de assentos e de equipamentos de
segurança como as catracas eletrônica, televisões e móveis, além de mais
de uma centena de equipamentos como portas e corrimãos quebrados.A
concessionária esclarece ainda que, de acordo com o TAU,  todas
intervenções feitas pelo Rio 2016 para atender às exigências do Comitê
Olímpico Internacional não isentam o Comitê da obrigação de fazer a
manutenções necessárias ao Maracanã e no Maracanãzinho e entregá-los da
forma como receberam em março de 2016.A concessionária Maracanã S.A reitera que só solicita o cumprimento do termos do contrato”.

“O Governo do Estado do Rio de Janeiro foi informado do furto pelos órgãos de segurança e adotará as medidas legais e contratuais cabíveis. Cabe ressaltar que o Complexo Maracanã, conforme contrato vigente, está sob responsabilidade da Concessionária.”

Montreal