Saúde orienta população sobre prevenção à Febre Amarela
Fullbanner1



Saúde orienta população sobre prevenção à Febre Amarela

Fonte: Ana Flávia Dorsa
SHARE
Foto: Arquivo

Após a confirmação da morte de um macaco por febre amarela no município vizinho de São José do Povo comunicada pela Secretaria Municipal de Saúde durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quarta-feira (26) no Paço Municipal, a equipe de Saúde de Rondonópolis informou que já está se mobilizando para orientar e proteger a população.

O fato serve de alerta, pois quando há morte de macacos é sinal de que os humanos precisam de atenção, mas é importante lembrar que não são os primatas os transmissores da doença e sim o mosquito Aedes Aegypti.

Diante da situação, a Secretaria de Municipal de Saúde montou uma equipe de combate e enfrentamento. Segundo a secretária de Saúde, Izalba Diva Albuquerque o Estado foi comunicado e o município criou um grupo de trabalho para gerenciar ações frente à febre amarela, além de imunizar a população.

“Reunimos nossos técnicos, montamos um comitê de prevenção e combate e estamos desenvolvemos ações. A orientação à população é a prevenção através da vacinação e o combate mantendo os quintais limpos, evitando o acúmulo de água parada”, norteia a secretária.

A secretária ainda pede para a população evitar áreas silvestres nas proximidades de São José do Povo onde o macaco foi encontrado. Para segurança, a secretaria fará um bloqueio na região e pede para o Estado fornecer doses extras de vacina.

O polo regional de saúde solicitou cerca de 40 mil doses da vacina para atender a cidade e na próxima semana devem estar disponíveis. Izalba diz que maior atenção será dada à zona rural, principalmente nas unidades que ficam mais perto da região circunvizinha ao fato. “O cidadão que perceber sintomas como febre alta há sete dias com olhos e pele amarelados, a recomendação é que procure a unidade de saúde para uma avaliação médica”, enfatiza a secretária.

A responsável pela imunização no município Magda Rosa explica que antes o Ministério da Saúde preconizava que era necessária a vacinação a cada 10 anos, mas uma norma técnica redefiniu isso, assim, a pessoa que já tomou a vacina ao menos uma vez e é comprovada pelo cartão de vacinação, não precisa repetir a dose.

“Não é o município que garante vacina e sim o Estado, mas temos um estoque de rotina e estamos atendendo em todas as unidades de saúde.  Vale lembrar às mães que a vacinação em bebês de nove meses é obrigatória”, explica Magda.

O veterinário do Centro de Zoonoses, Kleizer Willon, clama para que a população não mate os animais, pois ele serve como uma barreira para os humanos. “Só percebemos a febre amarela a partir do momento que encontramos o animal. Ele não é o transmissor e sim um alarme para garantirmos a saúde”, finalizou.