Rossato prepara retirada de projeto ao Governo
Fullbanner1

show


Rossato prepara retirada de projeto ao Governo

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Alair Ribeiro/MidiaNews

O ex-prefeito de Sorriso, Dilceu Rossato (PSL), que tem pré-candidatura lançada ao Governo do Estado nas eleições de outubro próximo, deve recuar do projeto nas próximas semanas. O que falta para isso, segundo comenta-se nos bastidores da classe política estadual, é apenas a confirmação do projeto do ex-prefeito, Mauro Mendes (DEM), como líder do maior bloco de oposição a Pedro Taques (PSDB).

Um dos fatores mais preponderantes para a retirada de Dilceu é a relação de muita proximidade que possui com o ex-prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PDT), que pode inclusive concorrer como vice de Mendes ou então ser um dos coordenadores centrais de sua campanha. O pdtista, inclusive, também confirmou pré-candidatura e garante que entra na disputa caso Mauro decida ficar de fora, o que se mostra cada dia mais improvável.

Rossato chegou a participar, recentemente, de um almoço em Cuiabá com o próprio Pivetta, Mauro Mendes e outras lideranças para discutir eleições 2018

Apesar de ainda não ter havido uma solicitação formal da parte de Pivetta para a saída de Dilceu – e muito provavelmente não ocorrerá – um político influente de MT detalhou ao NMT o quanto improvável seria Rossato concorrer diretamente com o ex-prefeito de Lucas. “Seria como se o Sachetti colocasse candidatura contra o Blairo”, exemplificou, citando o deputado federal e o atual ministro da agricultura, respectivamente, que são compadres.

A juíza Selma Arruda (PSL), inclusive, que também se filiou ao partido do pré-candidato a presidência, Jair Bolsonaro (PSL), que atualmente é pré-candidata ao Senado Federal, já estaria encostando no time do atual governador, Pedro Taques (PSDB), onde teria caminho para concorrer a Câmara Alta ou até mesmo a possibilidade de fechar chapa como vice no projeto de reeleição do tucano.

O PSL no estado, aliás, deve ter algo bem longe do que se possa chamar de coesão. Haja vista o exemplo de Rondonópolis, onde o vice-prefeito da cidade e líder partidário, Ubaldo Barros, já anunciou que apoia a candidatura de Wellington Fagundes (PR) e sequer considerou a pré-candidatura de Rossato que ainda vive, embora respirando por aparelhos.