Rondonópolis tem qualidade do ar inadequada em agosto
Fullbanner1

Fullbanner2


Rondonópolis tem qualidade do ar inadequada em agosto

Fonte: Thiago Mattar
SHARE
Foto: internet

De acordo com o último boletim informativo de vigilância da qualidade do ar, divulgado pela Coordenadoria de Monitoramento da Qualidade Ambiental da Secretária de Estado de Meio Ambiente (Sema), Rondonópolis é um dos municípios com a pior qualidade do ar neste mês de agosto, ao lado de Cuiabá, Várzea Grande, Cáceres e Sinop.

Com base nos dados de satélite divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o boletim classifica a qualidade do ar nas cidades citadas como inadequada. Em outras dez cidades de Mato Grosso, o boletim avalia a qualidade do ar como boa. Veja o boletim completo aqui.

Segundo o químico e coordenador de monitoramento da qualidade ambiental Sérgio Batista, fatores atmosféricos e as queimadas urbanas são os principais responsáveis pela piora na qualidade do ar. “Essa fumaça que chega na cidade pode viajar quilômetros, vindo de muito longe e quando encontra uma atmosfera propícia para descer, essas partículas descem e ficam estacionadas naquela localidade”.

Poluentes tóxicos oriundos de queimadas são os principais fatores para os altos índices de poluição, e podem causar irritação e inflamação nos brônquios pulmonares, redução no sistema mucociliar e redução de resposta das células macrófagas (responsáveis na modulação da resposta inflamatória).

Vânia Scapin, diretora da UPA, informa que as internações relacionadas a doenças respiratórias representaram 32% dos atendimentos na unidade no mês de julho. “Foi o maior índice de internações do mês passado”, conta.

Durante a manhã e final da tarde, o ar pode ficar ainda mais poluído. “No momento em que esfria, essa massa fria impede que a poluição se dissipe, deixando essas partículas mais ao nível do chão; já quando esquenta, essa fumaça sobe. É uma mini inversão térmica”, explica Batista.

Para o químico, uma maneira de evitar a piora da qualidade do ar é impedir queimadas urbanas. “O volume de queimadas ainda é muito alto, por isso estamos fazendo palestras de conscientização nas escolas do município para trabalhar com prevenção”, diz o secretário municipal de Meio Ambiente, João Copetti Bohrer.

O programa de palestras promovido pela Prefeitura de Rondonópolis deve alertar mais de seis mil alunos da rede municipal durante o ano. A Semma conta com o apoio do Juvam e da Polícia Militar Ambiental nessa iniciativa.

Montreal