Relator da reforma da Previdência contesta números da Anfip relativos à Seguridade
Supermoveis



Relator da reforma da Previdência contesta números da Anfip relativos à Seguridade

Fonte: NOTÍCIAS DE MATO GROSSO com Agência Câmara
SHARE

O relator da comissão especial que analisa a reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse há pouco que tem dificuldade de entender os argumentos de quem afirma, como a Anfip, que não existe deficit na Seguridade Social.

Segundo ele, a metodologia da entidade não considera, entre as despesas da Seguridade, os gastos com o regime próprio do funcionalismo público (RPPS).

“Os servidores públicos não deixarão de receber as aposentadorias. Mesmo porque contribuíram para a Previdência”, disse Maia, que participa de audiência pública realizada pela comissão especial.

Para o relator, excluir o RPPS na conta da Seguridade “é tapar o sol com a peneira”. “Não consigo conceber essa lógica que a Anfip defende”, disse. O presidente da entidade, Vilson Antonio Romero, foi o primeiro debatedor a falar na audiência pública de hoje.

Maia voltou a defender a idade mínima para aposentadoria do setor privado – Regime Geral de Previdência Social (RGPS) – e disse que o País precisa mudar o modelo previdenciário atual. “Precisamos fazer a reforma para dar sustentabilidade à Previdência Social”, disse Maia.

A comissão especial da Câmara dos Deputados analisa a PEC 287/16, que altera regras em relação à idade mínima e ao tempo de contribuição para se aposentar, à acumulação de aposentadorias e pensões, à forma de cálculo dos benefícios, entre outros pontos.

A audiência pública continua no plenário 2.

Veja também pelo canal da Câmara dos Deputados no YouTube

Mais informações a seguir