Prefeito reclama não abertura imediata de UTI Pediátrica, mas Santa Casa justifica...
Fullbanner1


Macropel

Prefeito reclama não abertura imediata de UTI Pediátrica, mas Santa Casa justifica readequação de equipe

Fonte: Ana Flávia Dorsa - Bruno Pinheiro
SHARE

A UTI Pediátrica da Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis reabriu nesta segunda-feira (04) com muitas dificuldades no atendimento conforme informações repassadas pela coordenação da ala intensiva.

Mesmo depois do acordo após reunião realizada no último dia 24 com o Governo do Estado e Prefeitura de Rondonópolis com a direção do Hospital, o reengate da equipe tem gerado transtornos e dificultado a prestação dos serviços de saúde.

Durante evento da Caravana da Transformação em Rondonópolis, o prefeito José Carlos do Pátio criticou a abertura tardia dos serviços da UTI Pediátrica e não poupou críticas à direção da Santa Casa.

“Tanto o município e o governo fizeram os repasses ao Hospital, não estou entendendo a postura do hospital. Só neste ano, a Prefeitura já investiu R$27 milhões no Hospital, superando em R$13 milhões o que foi depositado no ano anterior. Se a Santa Casa está achando pesado conduzir os serviços, já me disponibilizei à assumir o Hospital, só não podemos aceitar essa prática, o que deve prevalecer é o interesse público. Só tenho a agradecer os senadores, deputados e todos que destinaram emendas ao Hospital que agora precisa se explicar melhor à população sobre a falta de agilidade na reabertura”, disse o prefeito.

A equipe de enfermagem se pronunciou em nome da direção e disseram estar otimistas com a retomada dos serviços, mas até o momento aguardam a readequação dos profissionais que acabaram abandonando o serviço por falta de pagamento.

Foto: NMT

Para a enfermeira intensivista Ana Paula Belinart, o foco agora é acolher as crianças, pois já tem duas em tratamento e outras aguardando liberação da central de regulação. “Se o governo tivesse realizado os repasses em dia, nada disto teria ocorrido, afinal o fato de ter crianças necessitando de atendimento é desesperador”, desabafa.

Montreal