Polícia Civil prende sete traficantes com droga e veículos na fronteira
Fullbanner1


Macropel

Polícia Civil prende sete traficantes com droga e veículos na fronteira

Fonte:
SHARE

Assessoria PJC/MT

Sete traficantes de uma quadrilha foram presos pela Polícia Judiciária Civil com aproximadamente oito quilos de pasta base de cocaína, quatro veículos e um trator avaliado em R$ 400 mil. A ação aconteceu no município de Porto Esperidião (326 km Oeste), na quarta-feira (01.07), durante investigação da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), de combate ao tráfico de drogas na região de fronteira.

Uma arma de fogo também foi apreendida na operação, desencadeada com apoio dos policiais civis das cidades de Porto Esperidião e São José dos Quatro Marcos (315 km a Oeste), e do Núcleo de Inteligência do Grupo Especial de Fronteira (Gefron).

Um dos presos é o enfermeiro, Jucenir da Silva Mota, 33, que junto a Tiago Duarte Santos, 25, liderava a quadrilha composta também por Francisco Lopes de Souza, 36, conhecido como “Chiquinho”, Lindimar Luiz Gonçales, 31, Roberto Moreira de Souza, 37, conhecido como “Queixinha”, Jonner Diogo Costa Leite, 27, e Antonio Aparecido Alves, 71.

Todos foram autuados em flagrante pelos crimes de tráfico de drogas e associação ao tráfico. O preso, Jucenir da Silva Mota, também foi indiciado pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

Conforme apurado, os acusados eram investigados por envolvimento com tráfico de drogas. Em diligências, a equipe da DRE recebeu informações que a quadrilha estaria com certa quantidade de entorpecentes, e se descolou até Porto Esperidião para flagrar a movimentação dos traficantes.

Com os indícios de crime, a Polícia Civil representou pelo mandado de busca e apreensão domiciliar tendo como alvo a residência de Jucenir, considerado o articulador da quadrilha.

As buscas foram realizadas no interior da residência investigada, no centro de Porto Esperidião, onde efetuaram a apreensão de uma arma de fogo calibre 38. No local, foram presos o dono da casa, Jucenir, na companhia de mais dois acusados, Tiago e Francisco.

IMG-20150702-WA0011Os três foram conduzidos à Delegacia de Polícia e em interrogatório confessaram a Polícia que havia uma quantidade de pasta base de cocaína escondida  em um sítio próximo ao município. Na propriedade rural, do senhor Antonio Aparecido, de 71 anos, os investigadores localizaram enterrados oito tabletes de pasta base de cocaína.

Também foi encontrado no sítio, um local usado pelos traficantes como “laboratório” para misturar, preparar e aumentar o entorpecente. Um trator avaliado em R$ 400 mil foi apreendido para ser periciado, além de um tanque de combustível com capacidade de 50 quilos, utilizado para armazenar a droga.

IMG-20150702-WA0021O  proprietário do sítio contou aos policiais que autorizava os traficantes a utilizar a  terra para preparar e esconder drogas. Ainda no relato, o idoso disse que não olhava o que eles faziam e nem o que era enterrado, mas que recebia um valor que era acertado com Thiago, além de não ser aquela a primeira vez que “alugava” parte de sua propriedade para traficantes que atuam na região de fronteira.

No decorrer as diligências, a Polícia Civil identificou a participação de outros três integrantes, sendo Lindimar, Roberto e Jonner, presos cada um em sua respectiva residência e conduzidos à Delegacia de Polícia de Porto Esperidião.

De acordo com a delegada de polícia da DRE, Anamaria Machado Costa, após os interrogatório foi possível identificar que Jucenir e Tiago são os mentores da organização criminosa e outros cinco presos eram usados como “mula” para transportar a droga.

“O preso Francisco é considerado o administrador das mulas. Já o senhor Antonio era conivente com o tráfico de autorizava inclusive a existência de um laboratório em sua propriedade rural”, disse a delegada.

Com os traficantes foram apreendidos uma caminhonete Hilux, um Cross Fox, um Fiat Uno e uma motocicleta Bis, usado pela quadrilha para transportar os entorpecentes. “Tudo indica que o trator apreendido é produto de crime e seria trocado na Bolívia”, finalizou Anamaria.

 

Montreal