Pátio destina a Biliu tarefa de refazer laços políticos com a Câmara
Supermoveis

Fullbanner2


Pátio destina a Biliu tarefa de refazer laços políticos com a Câmara

Fonte: Da Redação
SHARE
Secretária de Administração, Mara Gleibe, e Biliu

O prefeito Zé Carlos do Pátio (SD) tem um sensível problema político para resolver: sua relação com a Câmara de Vereadores, que nunca foi de grande amor, mas piorou nas últimas semanas. Recentemente, o projeto de readequação dos valores do IPTU, rejeitado de forma unânime pelos parlamentares, criou uma ferida no trato entre os representantes dos dois poderes, tanto é que o próprio vereador Vilmar Pimentel (SD), não só da base como do mesmo partido do chefe do Executivo, demonstrou claro descontentamento com a postura do gestor, o que gerou até a saída do vereador da condição de líder partidário no legislativo. Para solucionar esta equação complexa, nada melhor que um homem com experiência e traquejo político, bom trânsito entre os parlamentares e que tem a confiança do prefeito.

O escolhido para personificar o perfil acima detalhado é Valdemir Castilho Soares, O “Biliu”, líder do PSL, partido que elegeu os vereadores João Mototáxis e Beto do Amendoim. A intenção do prefeito é criar um elo que restabeleça a confiança dos vereadores e vê em Biliu o porta-voz perfeito nessa missão. Nomeado como chefe do Gabinete de Apoio à Segurança Pública – Gasp, o social-liberal já foi secretário do próprio Pátio em sua outra gestão (2009 à 2012), comandando a pasta de Desenvolvimento Econômico. Desta vez, como está ligado a Secretaria de Administração, comandada por Mara Gleibe, Biliu teria também a incumbência de tratar dos efeitos políticos das decisões tomadas pelo setor que efetiva os caminhos a serem tomados ou não pelo Município e que invariavelmente respingam no legislativo. O perfil técnico de Mara, porém com bom trato, também deve corroborar para tanto.

Na mesma abertura de canal onde pretende levar informações da Prefeitura, Biliu também deve trazer o feed back da parte dos vereadores. Em linhas gerais, o que fica claro é que Pátio, diferente de outros tempos, não está insistindo em se manter abalado politicamente, tem enxergado os prejuízos e evitado o discurso de vitimização, tanto é que dá agora espaço para essa articulação ainda no primeiro ano de trabalho. O nome escolhido é bom e a tendência é que o diálogo seja reforçado e torne-se a grande marca do provável novo momento.

Montreal