Palmeiras vira sobre o Santos, encerra tabu e se classifica no Paulistão
Fullbanner1



Palmeiras vira sobre o Santos, encerra tabu e se classifica no Paulistão

Fonte: GloboEsporte.com
SHARE

Bolas na trave, defesas milagrosas,
90 minutos de intensidade e uma pressão que deu resultado. O Palmeiras bateu o
Santos por 2 a 1, de virada, neste domingo, na Vila Belmiro, e encerrou um tabu
de quase seis anos sem vencer o rival na Baixada. 

Todos os gols foram marcados no
segundo tempo. Willian, o herói do triunfo alviverde, deu números finais ao
placar a apenas três minutos para o apito final e assegurou a classificação da
equipe às quartas de final do Campeonato Paulista. Ricardo Oliveira havia
aberto o placar para o Peixe, e Jean empatado logo na sequência. 

A partida teve elementos dramáticos. No
primeiro tempo, o Santos acertou a trave de Fernando Prass duas vezes, mas se
deparou com um Palmeiras ofensivo. O goleiro palmeirense, aliás, não ficou
atrás do santista. Foi o responsável por segurar o ímpeto ofensivo do Peixe até
onde foi possível. 

Sem desistir mesmo com o gol marcado
pelo rival aos 29 minutos do segundo tempo, o Verdão foi premiado pela própria insistência. Eduardo Baptista lançou o time ao ataque depois que sofreu o gol, com as entradas de Róger Guedes e Willian nas vagas de Keno e Zé Roberto. Deu resultado.Com a vitória, o Palmeiras chegou a 21 pontos e garantiu a vaga na próxima fase. A equipe lidera o Grupo D, com oito de vantagem para o segundo colocado, Novorizontino. O Santos, por sua vez, é apenas o terceiro colocado do Grupo D, com 13 pontos, e não depende somente de si para chegar às quartas de final do Paulistão. Está atrás de Ponte Preta (15) e Mirassol (14). 

O Peixe volta a campo na próxima quarta-feira, às 19h30 (horário de Brasília), quando enfrenta o São Bento, em Sorocaba. O Verdão recebe o Mirassol na arena no mesmo dia, às 20h30. 

O jogo

Com marcação adiantada e dominante no meio-campo, o Santos
buscou “abafar” o Palmeiras desde o início da partida. A equipe de Dorival
Júnior apostava em jogadas rápidas pela lateral direita, com Victor Ferraz, de
maneira a sobrecarregar Zé Roberto na marcação, e em Lucas Lima pelo meio. 

Pouco criativo, o Verdão tinha dificuldade para neutralizar
o camisa 10 do Peixe. Responsável pela marcação à frente da zaga, Felipe Melo
recebeu cartão amarelo por um carrinho justamente em Lucas Lima logo aos 17
minutos de jogo.

A melhor chance criada pelos donos da casa foi em um
lançamento longo que pegou a defesa palmeirense desprevenida. Bruno Henrique
recebeu na ponta direita, rolou rasteiro para o meio da área e deixou Vitor
Bueno com a única missão de empurrar para o gol vazio. O santista se atrapalhou,
e a bola passou. 

Taticamente disciplinado, o Palmeiras melhorou no jogo. Teve
ótima chance de abrir o placar com Borja, que parou em bela defesa de Vladimir.
Porém, o Santos era mais ofensivo. Bruno Henrique criou oportunidades, mas foi
neutralizado duas vezes – primeiro, em grande intervenção de Prass, com chute
de longe; depois, na trave, em cabeçada. 

Mas a etapa inicial era mesmo dos goleiros. Fernando Prass
ainda conseguiu parar o que seria um golaço de letra de Ricardo Oliveira.
Vladimir defendeu cabeçada à queima-roupa de Mina e chutes de Borja e Guerra
para fechar um primeiro tempo alucinante.

Para a etapa complementar, Eduardo Baptista sacou Alejandro Guerra para a entrada de Egídio. Mandou Zé Roberto para o meio-campo, em função com menos exigência de marcação. Mas a pressão do Santos não diminuiu. Em 15 minutos, foram mais duas ótimas chances, em finalizações de Lucas Lima e Ricardo Oliveira.

Bem mais recuado com Zé Roberto como volante, o Palmeiras aguentou até os 29. Em cruzamento de Victor Ferraz para a área, Bruno Henrique cabeceou, a bola desviou em Jean e parou nos pés de Ricardo Oliveira, que só teve o trabalho de empurrar para a rede. 

A última alternativa de Eduardo Baptista, que já havia sacado Keno para a entrada de Róger Guedes, foi promover a entrada de Willian na vaga de Zé Roberto. O Palmeiras aumentou seu volume no ataque e aproveitou as chances que teve no setor ofensivo. Primeiro, em cruzamento de Jean desviado por Vladimir. Depois, com Willian, cara a cara – ambos em jogadas construídas por Guedes. Virada impressionante e construída em dois minutos.