Pacote de infraestrutura anunciado pelo governo federal beneficia economia de MT, afirma...
Fullbanner1

Fullbanner2


Pacote de infraestrutura anunciado pelo governo federal beneficia economia de MT, afirma Fiemt

Fonte:
SHARE

Assessoria

O presidente do Sistema Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Sistema Fiemt), Jandir Milan, participou hoje em Brasília (09/06) do anúncio do governo federal relativo ao plano de concessões à iniciativa privada com investimento previsto de R$ 198,4 bilhões em infraestrutura. Serão R$ 66,1 bilhões para rodovias, R$ 86,4 bilhões para ferrovias, R$ 37,4 bi destinados aos portos do país e R$ 8,5 bilhões aos aeroportos. Em Mato Grosso, o pacote contemplará a melhoria da malha viária e ferroviária.

Com o objetivo de escoar a produção do Centro-Oeste para os portos dos arcos norte e sul, haverá um investimento de R$ 4,1 bilhões em um trecho de 704 km que liga Rondonópolis (MT) a Goiânia (GO). E para aumentar o escoamento pelos portos do arco norte, está previsto investir R$ 6,6 bilhões nos 976 km entre Sinop (MT) e Itaituba (PA). Os leilões para essas duas concessões devem ocorrer ainda em 2015. O pacote prevê ainda R$ 6,3 bilhões para os 806 km entre Comodoro (MT) e Porto Velho (RO), os leilões serão em 2016.

Para melhorar o escoamento da produção do Estado pela hidrovia do Tapajós serão investidos R$ 9,9 bilhões na ferrovia que ligará Lucas do Rio Verde (MT) a Miritituba (PA), em um trecho de 1.140 km. O plano prevê ainda investimento de R$ 40 bilhões para a Ferrovia Bioceânica, que interligará o escoamento da produção mato-grossense e de estados do Centro-Oeste e Norte do Brasil, via Pacífico, com os mercados asiáticos.

“Mato Grosso foi um grande beneficiado por esse pacote de investimentos em infraestrutura. Não é novidade que um dos principais gargalos ao desenvolvimento do Estado está ligado à logística e ao alto custo do frete, mas a partir desses investimentos, Mato Grosso muda sua rota de escoamento, alcançando mais facilmente os grandes centros consumidores, com diminuição de frete e produtos com maior valor agregado. Com certeza, um ganho para a indústria, para o agronegócio e para a economia mato-grossense como um todo”, avalia Milan.

Montreal