Oposição aprova balanço no São Paulo, mas contesta gestão de Leco
Supermoveis



Oposição aprova balanço no São Paulo, mas contesta gestão de Leco

Fonte: GloboEsporte.com
SHARE

A candidatura de oposição à presidência do São Paulo decidiu, em reunião nesta quinta-feira, aprovar o balanço de 2016, exposto aos conselheiros nesta noite para votação. Em comunicado, a coordenação da campanha de José Eduardo Mesquita Pimenta diz que os números do balanço são críveis, mas acusam o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva de dizer “inverdades”.

Com o aval do grupo, o balanço foi aprovado com facilidade no Conselho Deliberativo.

Ficou decidido que poucos conselheiros da oposição compareceriam à reunião no Morumbi. Apenas uma comissão com alguns nomes, como José Roberto Ópice Blum, Douglas Schwartzmann e Eduardo Alfano, pediria explicações à diretoria sobre alguns pontos que eles consideram distorção de dados. Principalmente os seguintes:

– Enquanto a diretoria do São Paulo diz que a dívida caiu 30%, a oposição aponta um aumento de 16%, de R$ 238,5 milhões para R$ 275 milhões. Em seu blog, “na revista Época” Rodrigo Capelo detalhou o endividamento do clube (clique aqui para ler).

– O departamento de marketing fechou apenas R$ 14 milhões de patrocínio para o ano passado, e esse número será menor em 2017, já que não há master na camisa depois que a Prevent Senior deixou o clube, no último mês de março.

Pimenta, candidato da oposição, não compareceu à reunião. Segundo a assessoria de imprensa da campanha, ele está comemorando o aniversário de sua esposa.

A eleição no São Paulo será realizada no dia 18 de abril. Leco, eleito em outubro de 2015 para concluir o mandato de Carlos Miguel Aidar, que renunciou após denúncias de corrupção, vai concorrer com Pimenta. Quem vencer ficará no poder até dezembro de 2020.