Opinião: Heróis da Educação
Supermoveis

Fullbanner2


Opinião: Heróis da Educação

Fonte: Gilberto Figueiredo*
SHARE
Gilberto Figueiredo. Foto: Assessoria.

Os professores são muito mais que inspiração ou facilitadores entre o conhecimento e as mentes que buscam aprender. E é sob esta perspectiva que quero trazer uma reflexão sobre o papel que muitos professores assumem no seu dia-a-dia de crianças e jovens, o de serem heróis e heroínas.

No próximo dia 15 de outubro (domingo), comemoramos o Dia do Professor e minha homenagem vai para aqueles que vão além, que criam asas (imaginárias) e saltam para defender seus alunos. São tantas as histórias que já ouvimos de professores que “dão a vida” por seus alunos.

Mas quero destacar uma heroína em especial. No último dia 5 de outubro, quando o Brasil foi surpreendido com o triste ataque às crianças da creche “Gente Inocente”, na cidade de Janaúba, em Minas Gerais, a professora Heley Abreu Silva, 43 anos, não hesitou em entrar em meio às chamas para salvar o máximo de alunos possível das garras inflamadas da morte.

Infelizmente, oito crianças morreram durante o incêndio provocado pelo zelador do local, mas a tragédia poderia ter sido maior se não fosse nossa heroína. Heley Abreu Silva também morreu, não suportou as graves queimaduras e deixou o marido e dois filhos.

Realmente não tem como descrever o heroísmo dessa mulher que se contrapôs à loucura, à covardia e à falta de humanidade de um indivíduo doente que causou tamanha tragédia. Mas Heley não se acovardou.

Heley Abreu Silva é o notório exemplo do que é dar a vida por alguém sem esperar nada em troca. Heley Abreu Silva é o notório exemplo dos professores que amam seus alunos e não os abandonaria no momento difícil. Heley Abreu Silva é o notório exemplo de ser humano de bem. Aprendemos muito com Heley Abreu Silva. A atitude de Heley Abreu Silva deve ser lembrada pelas próximas gerações.

A morte de Heley também nos faz refletir sobre o papel de heróis exercido por inúmeros professores anônimos espalhados pelo Brasil, que se martirizam em nome da Educação. Quantas creches de “gente inocente” acolhem crianças que vivem em estado de miséria e cuja única refeição substanciosa do dia é aquela feita pelas “tias” da cozinha.

Quantos professores improvisam da forma que podem, e usam os recursos mais escassos possíveis para garantir que crianças sedentas por dignidade não saiam da Escola sem levar o mínimo de saber.

Diante de tanta tragédia, seja aquela causada por chamas ou aquelas causadas pelo caos no Poder Público, é que se chega à conclusão de que, infelizmente, o Dia 15 de Outubro ainda é uma data que não recebe o seu merecido respeito. Afinal, muitos professores são martirizados para conseguir oferecer educação com qualidade para seus alunos.

Educar no Brasil é uma questão de se posicionar em uma guerra, sendo que de um lado da trincheira os educadores seguram canetas e papéis na mão, enquanto que do outro lado forças contrárias ao desenvolvimento deste país empunham desculpas cada vez menos convincentes para desviar o dinheiro público em prol dos próprios interesses.

Heley Abreu Silva ao dar sua vida por crianças inocentes deu também testemunho de que a educação é uma questão de amor, de compromisso e de total entrega a esta profissão, que por sua vez é tão pouco reconhecida.

Quero aqui honrar e homenagear a memória da professora Heley Abreu Silva e de tantas outras (os) Heley´s espalhados pelo país — que também doam suas vidas pela educação por uma única motivação: a de colher bons frutos para um Brasil melhor.

Que neste dia 15 de outubro de 2017 tenhamos o sentimento de gratidão por todos os professores e educadores que fazem sua parte em nome do progresso humano. Muito obrigado Heley Abreu Silva pelo teu compromisso com a vida, que a sua alma descanse em paz. Muito obrigado, professores por fazerem da educação um estilo de vida.

E citando o poema de Geraldo Vandré, para o qual a luta diária deve ser “caminhando e cantando e seguindo a canção. Aprendendo e ensinando uma nova lição”, só tenho a dizer que jamais pode faltar ao professor a força e a motivação para ser herói todos os dias, como foi Heley Abreu Silva.

*Gilberto Figueiredo é vereador por Cuiabá.

Montreal