O povo fala demais, MDB nem é tão ruim assim…
Supermoveis



O povo fala demais, MDB nem é tão ruim assim…

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Carlos Bezerra, maior liderança do MDB, e ao fundo a foto do último governador do partido em MT, Silval Barbosa. Foto - Arquivo ODOC

Acabou a Copa do Mundo e o assunto agora é política. Nos bares das cidades, sejam as grandes ou as pequenas, saíram de cena os comentaristas de futebol, que sempre têm na ponta da língua a receita para ganhar desde a Jules Rimet, e agora, como analistas de plantão, definiram que a pauta da vez são as eleições de outubro. Em Mato Grosso, muita gente já anda dizendo que o MDB novamente fareja o poder e, apostando em um hipotético favoritismo de Mauro Mendes (DEM), decidiu colar no Democratas. Os especialistas dizem ainda que Mendes errou ao seduzir-se pelo tempo de televisão do maior partido, em número de filiados, do Brasil e acabou errando a mão ao “pesar” sua chapa com a presença de Carlos Bezerra e companhia limitada. Para quem passa na rua e escuta algo assim no bar a reflexão que fica é: que povo ingrato é o mato-grossense!

Tem gente que parece ter memória de mosquito e tudo que Bezerra fez nestes quase 45 anos de atuação política, iniciada lá no longínquo ano de 1975, quando lutava contra a ditadura, não tem mais valor e agora a única coisa que se lembram em dizer é sobre a denúncia contra o veterano que está acumulando poeira no Supremo Tribunal Federal – STF, outra vítima da ingratidão popular, versando sobre uma possível fraude de R$ 100 milhões no DataPrev, em 2004, quando o líder partidário lá comandava. Como reduzir o olhar a uma análise cheia de vícios e não reconhecer que Silval Barbosa, governando o estado pelo MDB, ajudou a desenvolver as plantas frigoríficas da JBS pelo interior, fazendo Mato Grosso ser manchete mundial? Como fechar a memória para a Copa do Mundo que ocorreu no estado e as obras que rasgaram a capital? Agora, como verdadeiros carniceiros, os cidadãos têm como única definição de Silval os seus problemas na justiça.

Fica nítido o oportunismo quando se vê que a pseudo “revolta” é seletiva. Porque os dedos que apontam não falam sobre Janaína Riva, reconhecida como maior revelação política dos últimos anos no estado? Ela é do MDB, deputada estadual, mas dessa não há o que falar, não é verdade? Vai falar o que? Que ela estudou em ótimas instituições de ensino e teve vida boa com dinheiro roubado? Que ela só virou deputada porque se beneficiou de um curral eleitoral montado em muitos anos com verba desviada e propina? Até conversa fiada tem limites e até mentiroso sabe que precisa ter o mínimo de coerência para atribuir mal feito a alguém. Por isso ficam quietinhos em relação a ela. Mas a maldade é muita e seguem personificando o MDB em tudo que atribuem ruim, arranhando a imagem de figuras como Romoaldo Júnior e Emanuel Pinheiro, como se tê-los do lado e ter de anunciar isso ao povo fosse tão penoso como dar notícia da morte do marido à viúva.

Agora inventam que o MDB já está discutindo secretarias em uma possível gestão de Mauro Mendes e que o partido já teria até exigido vagas no Tribunal de Contas do Estado – TCE. Com suas principais lideranças com a cabeça totalmente voltada às suas pré-candidaturas, como haveria tempo para se preocupar com vaga no TCE em 2019, onde sequer sabem se estarão eleitos? Os maldosos de plantão não se cansam de tentar denegrir a imagem do saudoso e guerreiro MDB, até outro dia PMDB, mas que independente da nomenclatura sempre lutou contra a garra dos poderosos, como quando encarou de peito aberto o Arena e a ditadura militar, que durou de 1964 até 15 de março de 1985. Como não reconhecer a astúcia e a habilidade para desatar nós de lideranças como o senador Romero Jucá? Como não tirar o chapéu para a imponência quase que institucional da presença de Renan Calheiros para adiantar os assuntos de interesse nacional? E como não reconhecer a coragem de Michel Temer para, independente da vontade de todo um país, não se intimidar frente aquilo que ele sabe que precisa ser feito?

A verdade é que você pode até não gostar do MDB, mas vai ter que engolir! O que não quer dizer que Mauro Mendes, Jayme Campos e companhia limitada tiveram que engolir. Ninguém aqui escreveu isso.O sentido da coisa é: você poder até não achar certo o que fazia Pablo Escobar, mas é inegável que ele ajudava muitos pobres na Colômbia. Mas, infelizmente, saber reconhecer bons feitos e também coloca-los nas manchetes definitivamente não é qualidade do brasileiro e muito menos do “fofoqueiro” povo de Mato Grosso. A mulher pode ser uma boa mãe a vida toda, mas basta viver um romance fora dos “padrões” da sociedade que já fica mal falada. O gente complicada de agradar…