Nova condenação acende de vez o inferno astral dos Vianas
Adventista

Fullbanner1


Nova condenação acende de vez o inferno astral dos Vianas

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Getúlio e Zeca em breve estarão sem mandato, provavelmente sem espaço no Governo Mauro Mendes, embora tenham aliados ou ex-aliados lá dentro, e entregues ao ostracismo político. Foto - Reprodução/MidiaNews

Os poucos mais de 12 mil votos conseguidos pelo deputado estadual, Zeca Viana (PDT), que naufragaram suas pretensões de reeleição na Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT, nas eleições 2018, bem como os 23.320 votos que deixaram sua sobrinha, Renata Viana (PDT), muito longe de qualquer aspiração de vitória para a Câmara Federal, não foram as únicas notícias ruins da tradicional família de Primavera do Leste.

Cassado em setembro do ano passado do cargo de prefeito da cidade, o irmão de Zeca, Getúlio Viana (PSB), que ganhou o pleito de 2016 concorrendo sub judice, já que era enquadrado na Lei da Ficha Limpa por condenações anteriores, acaba de ser condenado a quatro anos de prisão por usar maquinários da Prefeitura de Primavera para beneficiar propriedades privadas na cidades, no período de 2009 a 2012 de sua administração.

Getúlio teria determinado diversos serviços de infraestrutura e complexas adequações para que fosse possível a implantação de 40 mil metros quatros de asfalto em um loteamento privado, que tinha como proprietário um conhecido e poderoso empreendedor da cidade do setor imobiliário. Foram ouvidos funcionários e diversos envolvidos que confirmaram o privilégio ao possível “amigo do rei”.

Getúlio chegou a tentar se explicar, mas não convenceu o juiz Alexandre Delicato Pampado, que viu graves dissonâncias entre a história contada por pelo ex-prefeito com a narrada pelos operadores do serviço. A verdade é que, além de uma nova representação política construída nas urnas, impulsionada diretamente pela pressão popular e abastecida pelas redes sociais, notório também reconhecer uma nova frente rigorosa no Judiciário e Ministério Público.

Enquanto novos Dallagnols e Moros se criam, o coronelismo, o carreirismo e os conchavos de portas fechadas na política parece que, enfim, vão perdendo força e quem sabe, em breve, virem definitivamente artigos para a história.