“Nossa cidade incentiva a pirataria”, diz presidente da CDL de Rondonópolis
Fullbanner1


Macropel

“Nossa cidade incentiva a pirataria”, diz presidente da CDL de Rondonópolis

Fonte: Thiago Mattar
SHARE
Para Neles Ferreira, mais fiscalização ao comércio informal beneficiaria os lojistas da cidade. Foto: Felipe Arcanjo.

Mesmo otimista com o crescimento do comércio com as vendas de Natal, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) falou sobre a principal preocupação dos varejistas na cidade de Rondonópolis (214 km de Cuiabá) em entrevista ao site Notícias de Mato Grosso. Para Neles Walter Ferreira de Farias, o salto estimado de 6% nas vendas neste final de ano só não é superior em razão da presença massiva de produtos pirateados e o crescimento do comércio informal.

Em 2017, a CDL estendeu parcerias e promoveu uma edição histórica de descontos no “Liquidaqui”, que registrou um crescimento inédito de 20%. Nos últimos dois anos, a entidade que possuía apenas 490 membros, saltou para mais de 800 associados. Empresário do setor de materiais de construção, Neles é um dos responsáveis pelo crescimento do setor varejista em Rondonópolis.

De acordo com ele, o comerciante ou empreendedor tem que investir no que gosta de fazer e ter muita fé no trabalho. “O segredo é enxergar coisas que outras pessoas não conseguem enxergar; e precisa ter coragem e ter fé”, diz Neles.

O presidente destaca o problema da informalidade no comércio varejista de Rondonópolis como um obstáculo a ser vencido nos próximos anos. “Vários segmentos sofrem muito com a pirataria, e a nossa cidade incentiva a pirataria; nós temos um shopping popular de pirataria!”.

Para ele, a cidade de Rondonópolis virou uma cidade sem lei. “Nós temos leis que protegem o comércio local, mas não há fiscalização por parte do município ou do estado”, denuncia.

Neles defende que a arrecadação do estado e o investimento do poder público nos serviços básicos também passa pelo consumo responsável por parte da população, optando pelo comércio formal. “Se você quer boa educação, boa saúde, tem que comprar das empresas formais que repassam todos os impostos devidos para o governo de Mato Grosso”.

Com previsão de 6% no crescimento do varejo em todo o Brasil, Neles está otimista para as vendas nas festas de final de ano, e acredita que Rondonópolis pode superar esse número. “Nós também cobramos do prefeito Zé Carlos do Pátio a decoração natalina da Praça Brasil, para deixar mais atrativo o comércio da nossa cidade, que atrai consumidores de outros 19 municípios; estamos otimistas”, conclui.

 

Montreal