No melhor estilo Lula, Getúlio demoniza Justiça, MP e diz que “não...
Supermoveis

Fullbanner2


No melhor estilo Lula, Getúlio demoniza Justiça, MP e diz que “não sabia de nada”

Fonte: Da Redação
SHARE
Foto - Reprodução
O ex-prefeito de Primavera do Leste, Getúlio Viana (PSB), cassado recentemente do cargo por ser um ficha suja, segundo entendimento da Justiça Eleitoral, recebeu uma visita, nesta semana, nada confortável em sua residência. Uma busca e apreensão foi expedida pela Justiça, atendendo solicitação do Ministério Público Estadual – MPE, no intuito de garimpar documentos e outras provas que auxiliem em uma investigação atualmente em curso que trata de licitações fraudulentas no Executivo Municipal. Como já é mais do que natural em toda sua trajetória política de condenações e outros problemas com a justiça, Viana novamente fez discurso de inocente, garantiu que não quer os papéis recolhidos de volta e demonstrou “incredulidade” por ter sido alvo de mais um “abuso de poder”.

Aluno da escola do ex-presidente Luis Inácio Lula da Sila (PT) – que resolveu demonizar o juiz Sério Moro, da Lava Jato, e sobretudo os promotores que o enquadraram em ilícitos carregados de provas – Getúlio resolveu contextualizar, apontar para um argumento superficial de que estaria sendo alvo de uma conspiração por estar apoiando a candidata Carmen Betti (PSC) nas eleições suplementares, existentes exatamente por causa do seu descumprimento judicial, e mesmo com 20 ações nas costas, condenado por improbidade administrativa, ter visto bens bloqueados e uma capivara do tamanho de um hipopótamo, buscou novamente a vitimização.

Com uma intranquilidade denunciada pelo próprio corpo, que “dançava” enquanto o raciocínio tentava formatar um argumento de defesa, Getúlio resolveu gravar um vídeo para transformar o acontecimento técnico, em sua casa, em um fato político. Sem muito sucesso, o ex-prefeito resolveu então usar a tática infantil de “dividir a culpa”, a exemplo do que faz uma criança acuada pela mãe apontando também a culpa do irmão. Ele questionou o porquê de Érico Piana, que também teve as mesmas empresas em questão prestando serviços à Prefeitura (2013 à 2016), não ter tido também sua casa como alvo de uma operação de busca e apreensão.

Pois já que a intenção de Getúlio é politizar a situação, o NMT pensa que talvez a Justiça tenha usado a filosofia da mãe que quando vê uma travessura pela casa ao chegar do serviço sempre enquadra o filho mais bagunceiro para descobrir o que de errado ocorreu por ali. E como toda mãe bem sabe, quase sempre ela acerta na tática e rapidamente decifra o ocorrido. Isso se chama objetividade…

Montreal