‘Não há risco nenhum, o Enem está mantido’, diz diretora do Inep...
Fullbanner1



‘Não há risco nenhum, o Enem está mantido’, diz diretora do Inep após polícia identificar grupo que planejava fraude

Fonte: G1
SHARE
Foto: Internet

A diretora de avaliação da educação básica do Inep, Luana Bergmann Soares, disse nesta segunda-feira (30), que os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem ficar tranquilos, pois a prova está mantida. O exame será aplicado nos dias 5 e 12 de novembro em todo o país.

“Não há risco nenhum, a prova está mantida, os participantes podem ficar calmos”, disse Luana.

Um grupo suspeito de fraudar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 planejava fazer o mesmo neste ano, segundo a Polícia Civil de Goiás.

O delegado Rômulo Figueiredo afirmou à TV Anhanguera que este grupo tentou fraudar outros concursos. “Em alguns casos tem êxito, em outros não. Antecipamos a operação para esta semana visto que estavam planejando, via ponto eletrônico, fraudar o Enem 2017″, disse delegado Rômulo Figueiredo.

A Operação Portas Fechadas, da Polícia Civil de Goiás, é realizada paralelamente com a Operação Panoptes, da PC do Distrito Federal. Juntas, as ações cumprem 15 mandados em Brasília e 18 em Goiânia contra suspeitos de liderar a chamada “Máfia dos Concursos”.

Em nota, a assessoria de imprensa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo Enem, informou que o órgão “não foi notificado e está buscando acesso ao inquérito para poder se manifestar”.

Redação e direitos humanos

Luana Bergmann afirmou que o ministério ainda não foi notificado oficialmente sobre a decisão da Justiça Federal que o impede de dar nota zero às redações que desrespeitarem os direitos humanos.

Apesar de o julgamento do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) ter decidido suspender uma parte específica do edital na semana passada, ele não mexeu nas regras que definem as cinco competências exigidas na redação. A competência 5, portanto, segue igual, e diz que o estudante deve “elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos”.

“Ainda não fomos notificados oficialmente, mas isso nos preocupa muito sobre a mensagem que passa. O Enem desde 1998 orienta os participantes a respeitarem os direitos humanos até porque este é um dispositivo claro da Constituição”, afirma.

No entanto, a diretora afirmou que nenhuma redação que desrespeitar os direitos humanos não vai levar nota mil. “Propor um assassinato ou uma chacina, por exemplo, não é algo tolerável em um texto que seleciona um candidato para entrar na universidade pública ou privada.”