Morte e Ressurreição
show

Fullbanner1


Morte e Ressurreição

Fonte: Assessoria
SHARE
Pelos milênios, a celebração da Semana Santa demonstra-nos o inigualável suplício vivenciado por Jesus, o Cristo Ecumênico, o Celeste Estadista, na Sua dedicação extremada em prol da Humanidade, como no drama do Getsêmani. Sendo Espírito sem mácula, o Ungido de Deus voluntariamente carregou nossos erros sobre Seus ombros, a fim de nos livrar da ignorância que origina a Dor. Pouco antes de ser preso pelos beleguins do poder da época, de conformidade com a narrativa de Lucas (22:39 a 46), o Divino Crucificado reitera para todos nós: Jesus no Getsêmani “E, saindo, foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras; e também os Seus discípulos O seguiram. E, quando Jesus chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação! E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, dizendo: Pai, se queres, afasta de mim este cálice; todavia, não se faça a minha vontade, mas a Tua. “Então, Lhe apareceu um Anjo do Céu, que O confortava. E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o Seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra. “Levantando-se da oração, foi ter com os discípulos e os achou como que dormindo de tristeza. E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai, para que não entreis em tentação”. Jesus, o Senhor do Apocalipse, o Pão que desceu do Céu, doa a Sua própria vida De que modo o ser humano pode manter-se acordado dignamente, perante Jesus e a Sua Política Eterna, a ponto de compreender o significado divino da Dor, que fez com que Deus O abençoasse com Poder e Autoridade? Alimentando-se do Pão que desceu do Céu, porquanto, antes da definitiva reforma social, necessário se faz realizar a do Espírito, mas com Amor, Fraternidade, Solidariedade e Generosidade. Afinal, as palavras e os exemplos do Sublime Ser, que derramou Seu sangue para o nosso resgate, constituem esse alimento eterno, consoante lemos nas Escrituras: I — “Eu sou o Pão Vivo que desceu do Céu. Se alguém comer desse Pão, viverá eternamente" (Evangelho de Jesus, segundo João, 6:51); e II — “(...) pelo Seu sangue [Jesus] nos libertou dos nossos pecados” (Apocalipse, 1:5). Não há Política sem Amor Solidário Como?! É o seguinte: dizer que Jesus nos libertou dos nossos pecados significa asseverar também que o Divino Mestre nos deixou um roteiro doutrinário excelente para nossa vitória. Ao seguirmos esse Sagrado Estatuto com verdadeiro espírito de Caridade e de Justiça, nos transformaremos no esteio de nossos semelhantes na Terra. Porquanto não há pecado maior do que a ausência de Amor solidário para com os cidadãos (ou cidadãs) de cada país. E nós ressuscitamos com Ele Prossigamos, pois, aprendendo com Jesus que, superando os dramas do Getsêmani e do Gólgota, ressuscitou dentre os mortos para conforto e esclarecimento dos corações terrenos. E repetiremos, então, o que bradamos em 1997, no Rio de Janeiro/RJ, no dia 31 de dezembro, na passagem do ano-novo: Jesus ressuscitou, e nós, com Ele. Graças a Deus! A morte é apenas a abertura de novas experiências de vida. Todavia, que ninguém considere o violento ato do suicídio e suas trágicas consequências como uma escolha libertadora. Tudo, até a morte, tem leis disciplinantes. Esses e outros modestos comentários fazem parte de meu livro Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade (2014), que, para meu gáudio, tem comovido muitos corações.

Pelos milênios, a celebração da Semana Santa demonstra-nos o inigualável suplício
vivenciado por Jesus, o Cristo Ecumênico, o Celeste Estadista, na Sua dedicação
extremada em prol da Humanidade, como no drama do Getsêmani. Sendo Espírito
sem mácula, o Ungido de Deus voluntariamente carregou nossos erros sobre Seus
ombros, a fim de nos livrar da ignorância que origina a Dor.
Pouco antes de ser preso pelos beleguins do poder da época, de conformidade com a
narrativa de Lucas (22:39 a 46), o Divino Crucificado reitera para todos nós:
Jesus no Getsêmani
“E, saindo, foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras; e também os Seus
discípulos O seguiram. E, quando Jesus chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para
que não entreis em tentação! E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e,
pondo-se de joelhos, orava, dizendo: Pai, se queres, afasta de mim este cálice;
todavia, não se faça a minha vontade, mas a Tua.
“Então, Lhe apareceu um Anjo do Céu, que O confortava. E, estando em agonia,
orava mais intensamente. E aconteceu que o Seu suor se tornou como gotas de
sangue caindo sobre a terra.
“Levantando-se da oração, foi ter com os discípulos e os achou como que
dormindo de tristeza. E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai,
para que não entreis em tentação”.
Jesus, o Senhor do Apocalipse, o Pão que desceu do Céu, doa a Sua própria
vida
De que modo o ser humano pode manter-se acordado dignamente, perante Jesus e
a Sua Política Eterna, a ponto de compreender o significado divino da Dor, que fez
com que Deus O abençoasse com Poder e Autoridade? Alimentando-se do Pão que
desceu do Céu, porquanto, antes da definitiva reforma social, necessário se faz
realizar a do Espírito, mas com Amor, Fraternidade, Solidariedade e
Generosidade. Afinal, as palavras e os exemplos do Sublime Ser, que derramou
Seu sangue para o nosso resgate, constituem esse alimento eterno, consoante lemos
nas Escrituras:
I — “Eu sou o Pão Vivo que desceu do Céu. Se alguém comer desse Pão, viverá
eternamente" (Evangelho de Jesus, segundo João, 6:51); e
II — “(…) pelo Seu sangue [Jesus] nos libertou dos nossos pecados” (Apocalipse,
1:5).
Não há Política sem Amor Solidário
Como?! É o seguinte: dizer que Jesus nos libertou dos nossos pecados significa
asseverar também que o Divino Mestre nos deixou um roteiro doutrinário

excelente para nossa vitória. Ao seguirmos esse Sagrado Estatuto com verdadeiro
espírito de Caridade e de Justiça, nos transformaremos no esteio de nossos
semelhantes na Terra. Porquanto não há pecado maior do que a ausência de
Amor solidário para com os cidadãos (ou cidadãs) de cada país.
E nós ressuscitamos com Ele
Prossigamos, pois, aprendendo com Jesus que, superando os dramas do Getsêmani e
do Gólgota, ressuscitou dentre os mortos para conforto e esclarecimento dos
corações terrenos. E repetiremos, então, o que bradamos em 1997, no Rio de
Janeiro/RJ, no dia 31 de dezembro, na passagem do ano-novo: Jesus ressuscitou, e
nós, com Ele. Graças a Deus!
A morte é apenas a abertura de novas experiências de vida. Todavia, que ninguém
considere o violento ato do suicídio e suas trágicas consequências como uma
escolha libertadora. Tudo, até a morte, tem leis disciplinantes.
Esses e outros modestos comentários fazem parte de meu livro Jesus, a Dor e a
origem de Sua Autoridade (2014), que, para meu gáudio, tem comovido muitos
corações.