Ministro diz não ter indicado fiscal preso na Operação Carne Fraca
Adventista



Ministro diz não ter indicado fiscal preso na Operação Carne Fraca

Fonte: Do G1 SE
SHARE

O ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR), participou na manhã desta sexta-feira (24) da inauguração da nova etapa da Cadeia Pública de Areia Branca (SE). Durante a solenidade, ele falou sobre o fato de ter sido citado por Ronaldo Sousa Troncha, ex-assessor do deputado federal Sérgio Souza (PMDB-PR), de ter participado da indicação de Daniel Gonçalves Filho para assumir a superintendência regional do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Paraná. Daniel Gonçalves Filho é considerado, pela PF, o líder do esquema de fraudes revelado pela Operação Carne Fraca.

“O que eu tenho a dizer primeiro, que é praxe parlamentar as bancadas indicarem alguém para as chefias regionais, federais. Neste caso, não fui eu que indiquei a pessoa. Sou da área jurídica, professor de direito na universidade, mas vivo numa região [Paraná], que é forte na agricultura, e daí quis me aproximar do setor agropecuário. Foi quando eu me aliei ao Moacir Micheletto, que faleceu, mas foi um dos que até alavancaram a frente parlamentar da agropecuária. Ele indicou esse cidadão, que eu nunca tinha visto, e nós assinamos”, disse.

Segundo o ministro, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) foi quem deu a palavra final. “Existem pessoas que estão batendo, mas indevidamente. Por exemplo, no Senado a própria senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) reconheceu que ela só nomeou aquele cidadão depois que o senador Requião concordou, como eu concordei, como outros concordaram. Mas a palavra final foi do senador Requião”.

Questionado sobre se teria recebido uma cópia de um processo administrativo referente a Daniel Gonçalves, ele resumiu: “Vi um processo contra ele, mas não tinha nada haver com fiscalização, absolutamente nada disso. Era em relação a demissão de um funcionário, que havia uma dúvida se ele poderia ter aplicado uma ou outra pena, mas nada, absolutamente nada em relação a fiscalização de frigorífico”.

Em sua fala, o ministro voltou a citar a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). “A senadora que fez referência que eu apoiei um bandido, eu digo o seguinte: existem métodos de defesa, quem tem funcionário preso é a Katia Abreu. O assessor parlamentar está envolvido neste emaranhado da Carne Fraca. Não atribuo culpa nenhuma à senadora, ao contrário, mas são as contingências. Ela dispõe de um funcionário que está preso. Eu não tenho nenhum. A magistratura e o Ministério Público foram muito claros: não há nada que comprometa o deputado Osmar Serraglio”.