Medeiros defende demissão da presidente do Ibama por travar obras da BR-242
Fullbanner1



Medeiros defende demissão da presidente do Ibama por travar obras da BR-242

Fonte: Da redação
SHARE
Foto: Divulgação.

Durante discurso nesta quinta-feira (08.02), o senador José Medeiros (Pode-MT) defendeu a demissão da presidente do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), Suely Guimarães de Araújo, alegando dificuldades impostas pelo órgão no licenciamento de projetos importantes para o país. Ele citou o caso da BR-242 em Mato Grosso que não sai do papel há oito anos, mesmo o projeto tendo sido aprovado pelo órgão ambiental estadual. “Se eu fosse do governo federal, eu tirava essa presidente imediatamente. Ela, lamentavelmente, está travando o estado de Mato Grosso e está travando o Brasil”, enfatizou.

Segundo Medeiros, isso aconteceu porque, o Ministério Público e o Ibama questionaram a competência do órgão estadual para a emissão do estudo de impacto ambiental. Para que o processo não se estendesse, conforme disse o senador, a Advocacia-Geral da União (AGU) firmou um acordo com o Ibama e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para acabar com o impasse. No entanto, conforme afirmou o senador, com a demora do processo, o Ibama agora exigiu um outro estudo de impacto ambiental como condição para liberar o projeto. “Nós lutamos, derrubamos um governo, trocamos as pessoas achando que iria destravar, e entra lá uma pior do que a outra que lá estava”, declarou.

Medeiros lamentou ainda os prejuízos sofridos pelo município mato-grossense de Guiratinga, onde a produção de manganês está sendo comprada “a preço de brita” por empresas de Minas Gerais. Segundo o senador, se nada for feito, o município continuará sendo lesado pelos próximos anos. O senador informou que o secretário da Fazenda do estado de Mato Grosso já foi avisado, mas o assunto não progrediu. Ele sugeriu ao prefeito que não permita mais a venda de manganês para outro estado a preço abaixo do que realmente vale. “Eu estou querendo só que Guiratinga receba o seu quinhão. Os empresários de Minas são grandes empresários, não precisam explorar um pequeno município do interior do Mato Grosso pra se dar bem”, afirmou.