Mauro Mendes fala em moralidade mas seu partido quer presidiário na assembleia

Mauro Mendes fala em moralidade mas seu partido quer presidiário na assembleia

SHARE
Imagem: Internet

O Democratas validou nesta terça (31) a candidatura do deputado estadual Mauro Savi que, mesmo preso, trabalha para ser solto e tentar novo mandato no Legislativo estadual. Sob a suspeita de liderar o esquema criminoso, Savi está preso preventivamente no Centro de Custódia de Cuiabá desde 9 de maio, no âmbito da segunda fase da Operação Bereré, que apura desvio de aproximadamente R$ 30 milhões dos cofres do Detran.

 

O presidente estadual da legenda, deputado federal Fabio Garcia já registrou em cartório o documento e, a partir daí, fica na dependência da homologação da candidatura na convenção do partido que acontece no próximo sábado.

 

No documento, no qual consta a data de 31 de julho de 2018, o DEM considera o que expõe a Constituição de 1988 e leis complementares sobre convenções e declara que o parlamentar é filiado à legenda e pré-candidato a deputado estadual neste ano.

 

No domingo, o DEM, através da assessoria, declarou que o partido não havia recebido nenhuma solicitação oficial sobre a possível candidatura de Savi à reeleição mas, caso se confirmasse, o pedido seria encaminhado para deliberação junto à Executiva Estadual.

 

Nos bastidores, os filiados do DEM já afirmavam que a sigla deveria ceder a legenda para Savi porque ele ainda não foi condenado, está elegível e não pode sofrer pré-julgamento do partido.

Além disso, os democratas estão de olho no potencial eleitoral de Savi, deputado estadual mais votado em 2014, com 55.233 votos que lhe garantiram o quarto mandato na Assembleia. Acreditam que a votação do correligionário pode impulsionar os eventuais companheiros de chapa a garantir vagas no Legislativo.

 

Com a deliberação do partido, Savi deve usar a possível candidatura à reeleição para sair da prisão. De acordo com o professor em Direito Eleitoral e membro da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB/MT Hélio Ramos, a defesa de Savi pode, agora, ingressar com pedido de habeas corpus sob argumento da necessidade de que o democrata tem direito a fazer campanha eleitoral nas mesmas condições que outros que disputarão cargo eletivo contra ele.

 

“O registro de candidatura do deputado Mauro Savi não tem nenhum impedimento, até onde eu saiba. Ele tendo o registro de candidatura homologada, sua defesa poderá usá-lo para derrubar a prisão ou relaxá-la, com outras restrições, para que ele possa exercer sua campanha no mesmo patamar de igualdade que outros candidatos”, explica o especialista que afirma, ainda, que mesmo privado de liberdade Savi não tem restrição para votar ou ser votado.

 

Nesta segunda (30), após a liberação do ex-diretor-presidente da EIG Mercados, José Kobori, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do deputado fez pedido de extensão do habeas corpus concedido ao empresário ao Supremo.

 

NENHUM COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO