Mauro Mendes desafia Taques para um embate contábil
Supermoveis



Mauro Mendes desafia Taques para um embate contábil

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - OD

Após ser criada uma guerra de farpas via imprensa entre o atual governador e pré-candidato a reeleição, Pedro Taques (PSDB), e o ex-prefeito de Cuiabá e que deve disputar o Palácio Paiaguás com o tucano em outubro, Mauro Mendes (DEM), o democrata resolveu acabar com o assunto de vez e chamou o atual chefe do Executivo Estadual para um comparativo detalhado entre sua gestão na Prefeitura da capital (2012 a 2016) com a realidade financeira de Mato Grosso de 2015, quando o psdbista entrou, com os números atuais.

A confusão começou quando Mendes indicou que o tucano quebrou o estado e recebeu a resposta de que “empresas também quebram por fracasso”, numa alusão feita pelo atual governador com o estado de recuperação judicial que se encontra algumas empresas de Mendes. Quando parecia que a discussão tinha se encerrado, Mauro retomou o assunto e propôs um desafio contábil. Além de propor os comparativos quanto as gestões públicas de ambos, Mendes ressaltou que também aceita colocar os números de sua empresa para análise técnica.

“É muito simples: basta ver como eu peguei a Prefeitura de Cuiabá, pegar o balanço de 2012 e ver como entreguei em 2016. Se quiser fazer um desafio, também, vamos lá dentro da minha empresa. Ela teve problemas quando eu estive ausente, quando fiquei quatro anos cuidando de Cuiabá. Durante os 25 anos que lá estive, eu mostro todos os balanços. Ano após ano cresceu, deu lucro, deu resultados, por isso virou uma grande empresa. Eu saí de lá e infelizmente teve problemas. Agora, se o governador falou isso, vamos ver como ele recebeu o Estado em 2014 e vamos ver o balanço de 2017”, disse o empresário à imprensa de Cuiabá.

Segundo já informou o ex-vice-governador, Carlos Fávaro (PSD), os números trabalham contra Taques. “O governo de Mato Grosso tinha restos a pagar de R$ 800 milhões da antiga gestão quando assumiu e hoje, já tem dívidas de R$ 3 bilhões e pode chegar até R$ 4 bilhões no final do mandato do governador Pedro Taques”, disse Fávaro, em entrevista a rádio capital.