Marcelo Ramos relembra jogo de 1997 com o Villa: “Sensação indescritível”
Fullbanner1



Marcelo Ramos relembra jogo de 1997 com o Villa: “Sensação indescritível”

Fonte: Marco Antônio Astoni
SHARE

Em 1997, Cruzeiro e Villa Nova-MG fizeram o jogo com o maior público presente da história do Mineirão. As 132.834 pessoas, sendo 74.857 pagantes, viram a vitória cruzeirense por 1 a 0, gol do atacante Marcelo Ramos (veja no vídeo acima), que valeu o bicampeonato mineiro à Raposa. Este ano, o histórico jogo completa 20 anos. Coincidentemente, os dois tradicionais rivais vão fazer a abertura do Campeonato Mineiro de 2017. A partida está marcada para o mesmo palco, às 17h (de Brasília) do próximo domingo.

Marcelo Ramos, principal personagem do jogo de 1997, tem vivo na memória cada detalhe daquela tarde. A começar pela reação que teve ao ver a multidão que ocupava todos os espaços do Mineirão.

– A sensação foi indescritível. A gente não imaginava que o Mineirão estaria completamente lotado. Foi uma emoção muito grande. Com todo respeito ao Villa, a gente não estava esperando que o torcedor cruzeirense fosse lotar o Mineirão da forma que lotou. Ao mesmo foi uma sensação de prazer e de susto, não por temer o jogo, mas em acontecer alguma coisa ruim. No final, deu tudo certo, graças a Deus. Foi uma emoção muito grande fazer parte de um grande jogo, num estádio da tradição do Mineirão.

LEIA MAIS>> Companheiros em 2016, Ábila e Sobis viram concorrentes nesta temporada>> Recuperado fisicamente, Mayke quer reviver bons momentos em 2017

O momento do gol também não sai da memória do artilheiro cruzeirense. Marcelo fez 162 com a camisa do Cruzeiro, e alguns são especiais. O do título mineiro de 1997 é um deles.

– Na hora do gol, a sensação foi parecida. Um misto de alegria e explosão. De correr pra torcida. Aquele parte que eu fui, eu vi os torcedores vibrando com a alegria direta do gol. Eu fiquei um pouco preocupado porque as pessoas estavam muito apertadas. Na hora do gol, eu vi isso perto da torcida. Muita gente com criança e muitas mulheres. Eu me sinto um privilegiado porque, na história do Cruzeiro, em um jogo decisivo, marquei o gol e proporcionei uma grande felicidade pra torcida. São muitos sentimentos de gratidão, pelo carinho do torcedor. O lance foi uma jogada muito bonita. Eu e Palhinha realmente tínhamos um entrosamento fantástico. A gente sempre fazia nos treinos e deu certo, no momento certo, num jogo marcante e decisivo. Até hoje não me sai da cabeça. Já são 20 anos e eu tenho a jogada na cabeça. A alegria por ter proporcionado essa felicidade pro nosso torcedor é muita. Sou grato a Deus por ter história no clube e por ter sido decisivo no campeonato. No ano anterior, na Copa do Brasil, e em 1997, contra o Villa.

Outra lembrança marcante para o atacante baiano foi o enorme barulho feito pela torcida cruzeirense durante a partida. Ele conta que, mesmo com a concentração total do time, era difícil ouvir o que os companheiros diziam, a poucos metros de distância.

– Quando a gente está jogando, a gente não se preocupa muito com o lado de fora do campo. A gente está ali concentrado e não dá pra escutar muito a voz dos companheiros dentro de campo. A gente tinha que gritar porque era um barulho ensurdecedor. Era um jogo decisivo e qualquer vacilo poderia fazer a gente perder o título. O time entrou bem confiante e bem trabalhando pelo Paulo Autuori. A gente tinha um time muito forte, com jogadores de bastante qualidade. O bicampeonato foi muito importante para o clube e para muitos jogadores. Eu vinha de empréstimo, da Holanda, e este gol, somado com a Libertadores, foi muito importante para o meu retorno.

Por fim, Marcelo Ramos agradece o carinho que recebe, até os dias de hoje, da torcida do Cruzeiro. O atacante recorda cada detalhes do dia em que o Mineirão recebeu o maior público de sua história.

– As principais lembranças são a saída da Toca da Raposa. Quando a gente saiu, estava todo mundo ligado. No caminho para o Mineirão, a gente viu um monte de gente. Muitos torcedores gritando e incentivando, do lado de fora do ônibus. A gente estava bem concentrado. Começam dali as melhores lembranças. Uma sensação que a gente já tinha vivido um ano antes, com a conquista da Copa do Brasil, o caminhão de bombeiros e o povo cruzeirense nas ruas. O trajeto até o Mineirão foi fantástico. A gente sentiu o calor do torcedor e olho um pra cara do outro e já via que a gente tinha que estar concentrados. A responsabilidade era muito grande. A gente sabia que o estádio estaria cheio, mas não da forma que ficou. Também tenho a lembrança de uma superação particular. Eu vinha de uma lesão, e o Paulo Autuori perguntou se eu estava preparado pra jogar desde o começo. Ele confiava em mim e sabia que eu era um jogador decisivo. Eu pedi pra jogar desde o início porque dei tudo de mim, tanto que saí no começo do segundo tempo. Modéstia à parte, minha história no Cruzeiro é fantástica, justamente por isso. Quanto mais o clube precisou de mim, em momentos marcantes, eu consegui aparecer. As lembranças ficam na minha cabeça. O ano de 1997 foi inesquecível, com o bicampeonato mineiro e a Libertadores.

Raposa x Leão

Ao longo da história, Cruzeiro e Villa se enfrentaram 239 vezes. Foram
122 vitórias cruzeirenses,  72 empates e 45 triunfos do Leão. Em Belo
Horizonte, foram 157 confrontos, com 90 vitórias da Raposa, 46 empates e
21 triunfos do Villa. O Cruzeiro não perde para o Villa há quase 18
anos. A última vez em que o Leão do Bonfim saiu de campo com os três
pontos foi no dia 28 de fevereiro de 1999, quando fez 2 a 0, no
Mineirão, pela Copa dos Campeões Mineiros.