Mais de US$ 5 bilhões entram no país na parcial de novembro,...
Fullbanner1


Macropel

Mais de US$ 5 bilhões entram no país na parcial de novembro, revela BC

Fonte: Do G1, em Brasília
SHARE

A entrada de dólares no Brasil superou a retirada de recursos em US$ 5,17 milhões na parcial de novembro informou o Banco Central nesta quarta-feira (30). O valor foi registrado entre o dias 1º e 25 deste mês.

Os dólares ingressaram no país até mesmo depois da vitória de Donald Trump nas eleições dos Estados Unidos, fenômeno que trouxe instabilidade aos mercados e, nos países emergentes, como o Brasil, provocou alta da moeda norte-americana e queda das bolsas. A vitória de Trump foi confirmada em 9 de novembro.

Em outubro, com o ingresso de recursos da regularização de ativos no exterior, a chamada repatriação, US$ 8,78 bilhões entraram no país. Foi o maior ingresso líquido (acima das retiradas) de dólares no país para um único mês desde abril de 2015.

No acumulado de janeiro a 25 de novembro, porém, ainda foi registrada mais saída do que entrada de dólares. Neste período, US$ 1,8 bilhão deixaram o Brasil, de acordo com o BC. Em igual período do ano passado, houve o ingresso de US$ 11,96 bilhões no país.

Impacto no dólar
A entrada de dólares na parcial de novembro favoreceria, em tese, a desvalorização da moeda em relação ao real. Isso porque, com mais dólares no mercado, o preço tende a cair. Em novembro, porém, o dólar vem registrando forte alta.

No fim de outubro, o dólar estava cotado a R$ 3,19 e, nesta quarta-feira (16), por volta das 12h40, estava sendo negociado a R$ 3,40. Veja a cotação

Segundo analistas, além do fluxo de dólares, outros fatores influenciam a cotação da moeda norte-americana, como o cenário eleitoral nos Estados Unidos – que gerou desvalorização das moedas das principais economias emergentes, entre elas o real.

Além disso, o cenário externo (com a previsão de alta dos juros nos Estados Unidos, que tende a atrair capital para aquela economia) e o cenário político no Brasil (com a expectativa da aprovação da PEC do teto de gastos), também influenciam as cotações.

Montreal