Mais de 20 anos depois, Toninho Nogueira almeja voltar ao parlamento
Fullbanner1



Mais de 20 anos depois, Toninho Nogueira almeja voltar ao parlamento

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - Arquivos Pessoais

Advogado com mais de 20 anos de atuação e uma das figuras públicas mais conhecidas de Primavera do Leste nos últimos 30 anos, José Antônio de Castro Leite Nogueira, o “Toninho Nogueira”, quer voltar ao parlamento após 22 anos. Vereador na cidade de 1988 até 1996, ele quer agora, aos 58 anos de vida, ocupar uma das 24 cadeiras na Assembleia Legislativa de Mato Grosso – ALMT, a partir de janeiro de 2019. Em conversa com o NMT, o pré-candidato a deputado estadual afirmou que, apesar de sua vasta experiência, o que incluiu ser secretário municipal duas vezes e adjunto estadual até recentemente, consegue apresentar uma proposta nova ao povo de sua cidade e do estado.

Nogueira crê numa brecha de renovação evidente, mas ao mesmo tempo vê o desafio de boa parte do eleitorado descrente com todo o processo.”A gente sente que há um cenário bastante favorável para o que se apresenta novo, porque aqui (Primavera), como em todo Brasil, existe um sentimento de mudança que é muito forte. Acho que o que preocupa, e deve preocupar a maioria dos candidatos, é a possibilidade de grande abstenção. Esse é o desafio. Mais desafiador que buscar o voto para si, está fazer as pessoas realmente votarem este ano. Meu projeto eu posso classificar de novo, embora eu tenha uma vivência política bastante conhecida. Acredito que acumulei muita bagagem durante os últimos anos para contribuir muito”, elencou.

Secretário municipal de Indústria e Comercio, de Educação e recentemente secretário adjunto de Ciência e Tecnologia do Governo de Pedro Taques (PSDB), Toninho vê a cidade que viveu nos últimos 35 anos de sua vida e é uma das mais importantes do interior do estado sem força política alguma nos anos mais recentes, sobretudo no sentido de benefícios agregados. Ele pontuou que, até por isso, seu projeto, embora ainda seja uma pré-candidatura, já é de conhecimento das pessoas e pode encontrar no seio da sociedade primaverense e mato-grossense, de uma maneira geral, uma receptividade muito grande.

“Primavera não teve representatividade nos últimos oito anos. Zeca Viana, que seria o “deputado de Primavera”, passou esse tempo todo fazendo oposição política aos governos estaduais. Em consequência, não trouxe quase nada ou nada ao município. Foi oposição ao Silval Barbosa (2011 a 2014) e agora faz oposição sistemática e ferrenha ao Taques (2015 a 2018) e isso diminuiu nosso espaço como Município, dentro de situações que ele poderia encaminhar para Primavera. A oposição é importante, mas pode e deve ser feita de maneira respeitosa, sem fechar portas. Para que a comunidade que você regionalmente representa não perca com isso”, exemplificou Toninho.

Sobre o fato de ser alguém que viveu as regras antigas da Justiça Eleitoral e se depara com um cenário totalmente reformado, o candidato mostra ver pontos positivos e negativos na nova realidade. “Quarenta e cinco dias prejudica quem é menos conhecido, talvez seja melhor para quem já tem seu recall, seu reduto formado. O rigor da Justiça Eleitoral é quem pode corrigir isso e impedir a compra de voto, compra descarada de lideranças e outras coisas que empobrece nossa política”, disse, reiterando a necessidade de dialogar com as pessoas sobre a importância de interagir com o processo eleitoral.

“Falo sobre a abstenção, porque normalmente ela é fruto de um movimento de pessoas esclarecidas, mas na prática acaba por favorecer os políticos que já estão aí, que já conquistaram o seu eleitorado, construindo isso as custas do nosso dinheiro. Deputados que andaram por quatro, oito ou doze anos com recursos públicos e hoje estão em lugar muito mais favorável que nós, que apresentamos nosso nome sem essa estrutura toda. Mas eu acredito que é possível mostrar que é real um mandato que não seja um fim, mas um meio de fazer um bem, de construir um novo estado”, finalizou.