Livro Os Idosos são o Futuro é lançado em cerimônia na OAB/MT
Adventista



Livro Os Idosos são o Futuro é lançado em cerimônia na OAB/MT

Fonte: Assessoria.
SHARE
Foto: Assessoria.

As apresentações culturais de música e dança de três grupos da terceira idade marcaram o lançamento do livro “Os Idosos são o Futuro” feito pelo Conselho Estadual da Defesa dos Idosos, na tarde desta quarta-feira (31/10), na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MT). O livro é uma compilação de 13 artigos de profissionais de várias áreas sobre saúde, educação, cultura, violência e problemas relacionados aos maiores de 60 anos.

O projeto, que está em sua segunda edição, foi organizado pela defensora pública Sandra Alves, que presidirá o Conselho no biênio 2019/2020, e está na direção da entidade como vice-presidente nesta gestão, quando o projeto nasceu. Para Sandra, os problemas dos idosos são de toda a sociedade e devem ser debatidos, pois a expectativa é que nos próximos 20 anos essa população seja em maior número que de adultos e crianças.

“O mês é deles e o dia hoje foi organizado em homenagem a eles. Fizemos questão de que fossem os protagonistas, os artistas do dia. Eles ainda têm muito o que mostrar e podem colaborar de forma importante com a sociedade, não só com suas experiências, como com o trabalho e com apresentações artísticas lindas, como as feitas aqui hoje”, disse a defensora.

Além do lançamento do livro, que teve a impressão de 500 exemplares e será vendido ao preço de custo por R$ 12, na cerimônia foi entregue o “Prêmio Cândido Rondon”, criado para homenagear uma personalidade que colabora para mudar a realidade do idoso no Estado. O premiado da terceira edição foi o padre Anselmo Mandrile, pelo trabalho de toda uma vida, em auxílio aos idosos carentes.

Mandrile informa que ao longo de 36 anos ajudou e acolheu idoso do município de Mirassol D’Oeste, onde ele vive, que não tinham família e não conseguiam mais trabalhar em fazendas da região. Ele conseguiu um terreno onde construiu 10 casas para abrigar essas pessoas, além de auxiliá-las a conseguiu a aposentadoria rural.

“Fiz coisas pequenas e muito simples para pessoas que precisavam. Eu me sinto muito pequeno por participar deste evento e agradeço a Deus e a todos que organizaram. João Paulo segundo dizia que a família cristã deve ser a família daqueles que não têm família e foi isso que fiz. Depois de nosso empurrão, elas mesmas se ajudavam. Ajudei ao menos uma centena de pessoas com essas orientações e aposentadorias. Depois eles se integram e vivem e participam da vida na comunidade”, explicou o idoso.

Mais de 300 pessoas estiveram presentes e prestigiaram o evento que festejou o prêmio e o lançamento do livro. O coral da melhor idade Mestre Albertino, apresentou três músicas populares. Na sequência, o saxofonista Heberton Michel de Jesus também tocou músicas, o grupo de Cururu e Siriri Girassol fez uma apresentação de dança e as apresentações artísticas foram encerradas com a dança do grupo sênior “Felicidade Integração do Pantanal”.

Para a idosa Dora Andrade, 69 anos, que participa há cinco anos do Coral, a atividade a mantêm alegre e ativa. “Eu perdi minha mãe e três meses depois, perdi meu filho de 43 anos, e isso foi há três anos. Por conta dessa atividade, não me entreguei. No Coral me distraio, faço algo que gosto, converso, tenho amizades, fazemos lanche, tricotamos em dois dias da semana e isso me ajuda a ficar viva e feliz”, explicou.

O coral mestre Albertino funciona duas vezes na semana, nas segundas-feiras e quartas-feiras, das 14h às 15h30, na rua Comandante Costa, 1993. O coral abrirá vagas novas em fevereiro de 2019 e os interessados podem ter mais informações pelo telefone: 3052 0062.

O segundo subdefensor público-geral, Caio Zumioti, o defensor público que atua na área criminal, Djalma Sabo Mendes e o representante da Coordenadoria de Direitos Humanos, Roberto Vaz Curvo estiveram no lançamento junto com as defensoras, Synara Gusmão e Corina Pissato.

O número de idosos no Estado, segundo dos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cresceu 9,2% nos últimos três anos. Se em 2015 eles somavam 348 mil pessoas, em 2017 esse número chegou a 380 mil e as perspectivas são de continuidade no crescimento.

O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa é um órgão permanente, paritário, de caráter deliberativo, vinculado à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), que tem como objetivo a supervisão, o acompanhamento, a fiscalização e a avaliação da Política Nacional do Idoso, em Mato Grosso. A presidente exerce função diretiva para organização dos trabalhos a serem desenvolvidos pela gestão.