Livre após 15 anos, Arcanjo faz “gesto de vitória” e conhece a...
Fullbanner1



Livre após 15 anos, Arcanjo faz “gesto de vitória” e conhece a neta em MT

Fonte: Da redação
SHARE
Chico Ferreira.

O ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, solto nesta segunda-feira (26), foi recebido com muita emoção e uma “salva” de palmas pela família, nesta tarde no bairro Boa Esperança, em Cuiabá. Um vídeo divulgado pelo site Gazeta Digital mostra o momento em que Arcanjo desce do carro já dentro da casa e acena para a imprensa.

Nas imagens, o ex-bicheiro abraça uma neta, que ainda nem o conhecia. Diversos familiares e amigos próximos recepcionaram o “ex-comendador” em sua residência.

Estas foram as primeiras imagens de Arcanjo no regime semiaberto, após mais de 14 anos no regime fechado. No fórum de Cuiabá, ele conseguiu despistar a imprensa saindo por um acesso restrito.

Arcanjo teve a concessão para o regime semiaberto aprovada no último dia 19, após decisão do magistrado Jorge Tadeu Rodrigues, da Vara de execuções Penais de Cuiabá. Na manhã desta segunda, o ex-bicheiro foi conduzido até o Fórum de Cuiabá, sob forte escolta, para uma audiência admonitória para receber as orientações das medidas cautelares.

Ficou determinado que o ex-bicheiro só poderá deixar sua casa dentro de sete dias para trabalhar ou procurar emprego. Além disso, deve manter atualizada suas atividades.

Arcanjo ainda terá que se recolher no período noturno, entre as 20h e as 6h da manhã. Nos finais de semana, o magistrado autorizou a frequentar sua fazenda. “Autorizo o penitente a permanecer de sexta-feira à domingo na Fazenda São João, BR 163, km 14 Cuiabá/Jangada, Município de Várzea Grande/MT”, diz a decisão.

O ex-bicheiro terá os passos monitorados por tornozeleira e, a cada mês, será enviado um relatório sobre os caminhos que ele percorreu. Além disso, ele está proibido de deixar o Brasil.

“Oficie-se à Policia Federal, solicitando informações se o passaporte do penitente se encontra suspenso. Caso não se encontre, determino a suspensão pela autoridade policial”, coloca.