LIBERTAÇÃO – George Ribeiro
Fullbanner1



LIBERTAÇÃO – George Ribeiro

Fonte:
SHARE

 

Sim, eu estive preso por muito tempo,
Mas hoje é o dia da minha libertação.
Não haverá mais a que eu me lamentar,
Porque tudo será revelado do coração.

Tudo será dado ao destino atrasado…
Tudo será posto ao ar, ao dia, ao vento.
Tudo terá testemunhas, este tudo, sim…
Tudo deixará de ser só um pensamento.

Compartilha-se o sonho, o pesadelo.
Compartilha-se o espasmo e devaneio…
Compartilham-se os traços do escuro,
O que é tímido, saudoso, bonito, feio…

Daquilo que é grosseiro e asqueroso
Será transfigurado de modo direito
Como nasce uma mariposa no mato…
Será, assim feito, de modo imperfeito…

Será assim posto a desenvolver-se,
A firmar-se as plumas e penugens,
Nervura, quitina, metacarpos, asa…
Haverá a eclosão de suas origens.

É, sim, este o dia da minha libertação!
Bate e escorre como o tempo pelo vento,
Construindo, desenvolvendo conectando,
Comunicando a fusão de cada filamento.

(*) George Ribeiro é poeta, rondonopolitano e membro da Academia Rondonopolitana de Letras, cadeira número 9