Juíza Selma humilha PSDB e causa revolta de tucanos
Fullbanner1



Juíza Selma humilha PSDB e causa revolta de tucanos

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Leitão até que tentou ser cavalheiro, mas Selma, aparentemente, não terá problemas em criticar o próprio companheiro de chapa caso entenda que isso seja o caminho para sua eleição. Foto - Ednilson Aguiar/OLivre

“Tem uma parcela dos juízes que acha que é Deus, a outra parte tem certeza”. A brincadeira em forma de frase muito comum nas universidades de Direito e presente nas brincadeiras e rodinhas de conversas de advogados e promotores, mostra-se um problema real e evidente quando um ex-magistrado resolve se enveredar pelo caminho da política, após ter participado de algum trabalho que alcance positivamente o ouvido das pessoas.

Depois de tantos anos resolvendo todas as questões, independente da complexidade das mesmas, unicamente com seu veredito, parece muito querer instituir na cabeça destes quase semideuses que existem esferas de poder onde é preciso trabalhar em conjunto. A ideia de grupo não faz muito sentido, por exemplo, para a ex-juíza e recém-aposentada, Selma Arruda (PSL), que no Mato Grosso tenta alcançar o Senado Federal nas eleições 2018.

Em fala pública, Selma se desvinculou totalmente dos companheiros da provável coligação e disparou: “Aquele que acredita na Selma, mas não acredita em A ou B que está na coligação, não precisa votar. Se votar na Selma, pode votar em outro governador, deputado federal, estadual ou senador”, falou a magistrada, possivelmente fugindo do desgaste que ela mesmo criou quando disse que não se aliaria a políticos envolvidos com possível corrupção, como é o caso de alguns tucanos de Mato Grosso.

Os aliados do pré-candidato ao Senado Federal e provável companheiro de chapa de Selma, Nilson Leitão (PSDB), se enfureceram com a questão e ameaçam buscar respaldo da direção nacional do partido para derrubar o PSL do arco de aliança. Embora respaldada por Pedro Taques (PSDB), o palanque garantido a Jair Bolsonaro (PSL), que concorre a Mato Grosso, não vem sendo bem digerido por Geraldo Alckmin (PSDB) e demais tucanos de elite. Sozinho, por mais que queira, pode ser que Taques não consiga mais segurar Selma.