Juíza revela que Silval e dois ex-secretários delataram Faiad
Supermoveis

Fullbanner2


Juíza revela que Silval e dois ex-secretários delataram Faiad

Fonte: Folhamax
SHARE
Ex-presidente da OAB Francisco Faiad sendo preso. Foto: Internet

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB), junto com o ex-chefe de gabinete, Sílvio César Correia Araújo, e ex-secretário-adjunto de Transportes e Pavimentação Urbano (Setpu), Valdísio Juliano Viriato, confessaram os crimes investigados na 5ª fase da “Operação Sodoma” e revelaram a participação do advogado e ex-secretário de Administração, Francisco Anis Faiad, no suposto esquema de corrupção. De acordo com a denúncia, a alta cúpula do Governo do Estado teria “forçado” a Marmeleiro Auto Posto a pagar uma dívida de campanha da 2012 de Faiad e de Lúdio Cabral (PT) à prefeitura de Cuiabá, no valor de R$ 1,7 milhão.

Em troca, a empresa mantinha seu contrato com o poder executivo estadual. As fraudes deverão ser confirmadas em depoimentos dos réus na operação.

O ex-secretário adjunto da Setpu-MT tem depoimento agendado para o dia 18 de setembro de 2017 referente a quinta fase da “Sodoma”. Já o ex-governador Silval Barbosa tem audiência com a Justiça no dia 29 do mesmo mês, mesma data em que depõe Sílvio Correia.

Juiza Selma Arruda. Foto: Internet
Juiza Selma Arruda. Foto: Internet

A informação consta da decisão a juíza Selma Arruda rejeitou um recurso do próprio Faiad contra a juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Rosane Santos Arruda, proferida na última quinta-feira (27). O ex-secretário pedia o afastamento da magistrada do caso alegando “inimizade”.

O advogado chegou a ser preso em 14 de fevereiro de 2017, mas foi solto uma semana depois, no dia 21 do mesmo mês, após pagar fiança de R$ 192 mil. Na sentença onde nega ser suspeita de julgar a ação, Selma Arruda determina a juntada dos depoimentos de Silval Barbosa, Sílvio Corrêa e Valdísio Viriato. “Faço juntar a esta decisão cópias dos depoimentos de Silval da Cunha Barbosa, Silvio Cesar Correa Araújo e Valdísio Juliano Viriato, que delatam a participação de Francisco Faiad nos fatos, reforçando, assim, os fundamentos da prisão preventiva decretada em seu desfavor, que gerou a interposição desta exceção”, diz trecho da decisão.

Além dos depoimentos das pessoas que faziam parte da cúpula da gestão Silval Barbosa, Selma Arruda também determinou que fosse juntado ao processo cópias digitalizadas da quinta fase da operação “Sodoma”. Além do pagamento de propina para quitar dívida da campanha de 2012, a operação investiga o pagamento de “mensalinho” por parte do posto para manter o contrato com o Executivo.

Segundo delação premiada do empresário Juliano Volpato, era repassado ao grupo político que comandava o Estado cerca de R$ 70 mil por mês. Os valores foram repassados por intermédio dos ex-secretários César Zìlio, Francisco Faiad e Pedro Elias Domingos.

O destino final era o ex-governador Silval Barbosa. Ex-presidente da OAB de Mato Grosso, Francisco Faiad assumiu a Secretaria de Administração da gestão de Silval Barbosa em 2013, onde também teria agido pelo pagamento de R$ 916 mil para formação de Caixa 2 da sua campanha de 2014 a deputado estadual. Em ambas eleições, o ex-secretário saiu derrotado.

De acordo com investigações da quinta fase da operação Sodoma, os pagamentos foram realizados pela Marmeleiro Autoposto e Saga Comércio Serviço Tecnológico e Informática Ltda. entre os anos de 2011 e 2014, que em troca receberam aproximadamente R$ 300 milhões em contratos com o Governo do Estado. Faiad e Selma travam uma disputa há anos, sendo que o advogado chegou a denunciar a magistrada ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

 

Montreal