Juiz condena a prisão 37 envolvidos com Comando Vermelho em MT
Supermoveis



Juiz condena a prisão 37 envolvidos com Comando Vermelho em MT

Fonte: Da redação com Folhamax
SHARE
Foto: Reprodução Folhamax.

O juiz da Sétima Vara Criminal, Marcos Faleiros da Silva, condenou 37 pessoas a 6 anos de prisão em regime fechado, além do pagamento de 33 dias multa, no valor de um trigésimo do salário mínimo cada uma. Os condenados fariam parte da facção criminosa “Comando Vermelho”, e respondem a uma ação penal derivada da operação “Grená”, que teve a primeira fase deflagrada em abril de 2014 pela Polícia Judiciária Civil (PJC), e pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

A decisão é do dia 13 de julho de 2018. Foram condenados Fagner Francisco Elutério Chaves, Fábio Rodrigues, Antônio Marcos Azevedo de Lima, José Ronilson de França, Luiz Cesar Dias de Souza, Luciano Roberto Gonçalves Lagares, Luã Jonathan Delgado Campos, Flavio Dias de Arruda, Aureo Adriano Magalhães da Silva, Diego Trindade da Costa, Geide da Silva, Pedro Mario de Jesus, Paulo César Rosa, Joadir Alves Gonçalves, Alex Silva dos Santos, Gabriel Ítalo da Silva Costa, Valdemilson Lúcio dos Santos Arruda, Marcos Antônio de Souza e Manoel Xavier de Paiva.

Também sofreram a condenção Paulo Roberto Leal, Wisley Junior Rodrigues Silva Oliveira, Edinaldo de Souza Garcia, Ottoni Campos Azambuja, Mauro Gomes Fernandes, Edmar Ormeneze, Odair Conceição de Oliveira, Juliano Cavalcante Rodrigues, Aldemir de Assis Campos, Carlos Eduardo Inácio de Oliveira, Rafael Bezerra da Silva Oliveira, Francisco Bispo dos Santos Filho, João Bosco Queiroz de Amorim, Joari Martins da Silva, Leonardo Flávio de Souza, Alex Ferreira Dias, Sinval Machado Xavier e Diego Trindade da Costa. Os 37 condenados foram enquadrados no artigo 2 da Lei 12.850 por “constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa”.

Todos eles deverão aguardar o trânsito em julgado da ação – fase processual onde não é mais possível interpor recursos -, na cadeia. O juiz da Sétima Vara Criminal também condenou Deivid (Deyvid) Magalhães Ferreira, Wesley Jorge Reis de Souza e João Cleber Dias Barbosa a 5 anos, 4 meses e 26 dias-multa pelo mesmo crime.

Eles, no entanto, poderão apelar em liberdade. Na mesma decisão, o magistrado declarou extinta a punibilidade contra Pedro Mário de Jesus e Babilys Paes Pinheiro Neto.

Elton Ferreira Marques, que também era réu na ação, foi absolvido pela Justiça. Marcos Faleiros determinou, ainda, o desmembramento dos autos em relação a Gilberto da Silva Brasil, Washington Calixto Lima, Célio Jamil De Campos França, Jonas Souza Gonçalves Junior, Geraldo Sanches Filho, Thamulla Domingas de Almeida Griggi, Magno Batista Torres, Marco Antônio da Rocha Silva, Elias César Arruda Nunes, Jane Aparecida Senziani, Willian de Jesus Medrado, Paulo Roberto Freitas Martins, Thiago Cavalcante de Moura, Luciano Gonçalves da Costa.

O desmembramento é uma medida tomada pelos juízes em ações onde há um grande número de réus ou que dentre eles encontrem-se pessoas com prerrogativa de foro – autoridades, por exemplo, que não podem ser julgadas na primeira instância da Justiça.

GRENÁ

De acordo com informações da PJC, quarenta e três membros da facção criminosa denominada “Comando Vermelho Mato Grosso” (CV-MT), que controla presídios no Estado, foram alvos da operação “Grená”, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso no dia 30 de abril de 2014. Os criminosos são investigados em diversos crimes como o tráfico de drogas, associação para o tráfico, homicídios, latrocínio e formação de quadrilha, cometidos de dentro do presídio com apoio de membros do lado de fora.

A operação foi comandada pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) e a Diretoria de Inteligência, com apoio das inteligências da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh).

Já no dia 17 de março de 2015, vinte e oito mandados de prisão preventiva foram cumpridos pela PJC em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais na deflagração da 2ª fase da operação. A assessoria da Sesp-MT informou que 267 ordens judiciais foram expedidas contra membros do Comando Vermelho na ocasião.