Jayme “joga mal” e sai diminuído das convenções
Fullbanner1



Jayme “joga mal” e sai diminuído das convenções

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Foto - VGNEws

Cotado como o favorito para ocupar uma das vagas ao Senado Federal, segundo pesquisas de intenção de voto, o ex-governador, Jayme Campos (DEM), não saiu bem das convenções partidárias do último fim de semana. Isso porque, o veterano ousou apostar tudo em Cuiabá e Várzea Grande colocando Fábio Garcia (DEM), deputado federal pelo seu partido e também com base eleitora na capital, como seu primeiro suplente na busca da Câmara Alta, ocorre que a tacada não foi nada boa como muita gente achou que seria.

Jayme tem dificuldades para ser o segundo voto de qualquer candidato, aliás, sua condição nesta vaga é quase nula, em virtude da rejeição que sua longa carreira política lhe agregou. Ou seja, ou o cidadão vota em Jayme no primeiro voto, ou então ele vê sua candidatura ameaçada, caso não consiga uma boa parcela da população mato-grossense o escolhendo protagonista. Apostar em “Fabinho” poderia sim ser uma estratégia de cristalizar este primeiro voto, mas Jayme não contava com o que ocorria nas casas e convenções vizinhas.

Desafeto declarado da ex-juíza, Selma Arruda (PSL), que também concorre ao Senado Federal, Jayme deve antagonizar o debate com Arruda e caso o prestígio da segunda aumente, e isso é possível já que ela tem condições de fazer um discurso mais atrativo que Campos, o eleitor tende a votar em Selma e em qualquer outro no segundo voto, menos o veterano. Como Selma também vem forte em Cuiabá e Várzea Grande, essa situação já surge como ameaça, mas o pior ainda estava por vir.

O PSOL, que no estado quase que é personificado na figura do Procurador Mauro, decidiu lançar sua principal carta também ao Senado Federal. Se a lógica fazer valer o aumento de votos de alguém que disputa, com destaque, o cargo de deputado federal para a busca pelo Senado Federal, os mais de 84 mil votos do procurador em 2014, quase todos em Cuiabá e que só não o levaram a vitória por uma questão de legenda (Mato Grosso teve candidato com 20 mil votos a menos que isso eleito deputado federal), podem ser o fiel da balança nesta acirrada disputa pelo Senado.

A vinda do Procurador para a majoritária é péssima para Jayme e para Selma.