Janot deve remeter ao MPF investigação da “farra das passagens” com 4...
Fullbanner1

Fullbanner2


Janot deve remeter ao MPF investigação da “farra das passagens” com 4 de MT

0
Fonte: Da Redação
SHARE

O procurador geral da República, Rodrigo Janot, decidiu não pedir ao Supremo Tribunal Federal – STF a abertura direta de um inquérito sobre o caso que já ficou batizado de “farra de passagens” – envolvendo congressistas atuantes de 2005 a 2009, suspeitos de uma manobra com a cota de passagem aérea – e informou que vai instaurar uma “notícia de fato” (procedimento interno de investigação preliminar) para o Ministério Público Federal – MPF proceder com um levantamento técnico prévio a fim de efetivamente definir os possíveis ilícitos, para só então novamente acionar a alta corte para o aprofundamento dos trabalhos.

A suspeita é de que aproximadamente 200 políticos ainda com foro privilegiado no STF atualmente, caso dos deputados federais da época, e ainda com mandato por Mato Grosso, Carlos Bezerra (PMDB), Victório Galli (PSC), Valtenir Pereira (PSB) e o agora senador, Wellington Fagundes (PR), tenham feito esquemas junto a agências de viagens para beneficiar amigos e familiares em viagens nacionais e para vários lugares do mundo durante o período investigado com fins de lazer, ou seja, sem qualquer relação com o mandato que seriam suas prerrogativas obrigatórias de gastos.

Quem acabou pondo fim a “brecha” para o uso indiscriminado da passagem foi o atual presidente da República, Michel Temer (PMDB), então presidente da Câmara Federal, em 2009, após o site Congresso em Foco vazar o possível escândalo. A partir de então, o uso das cotas de passagens ficou restrito apenas aos próprios congressistas e assessores. Mesmo com os indícios de sérios rombos nas contas públicas, Janot aparece cauteloso em despacho recente enviado ao STF sobre o caso.

“O grande número de investigados nesses autos, inviabiliza a apuração pormenorizada da conduta de cada um dos envolvidos, mostrando-se razoável uma apuração inicial no âmbito do Ministério Público Federal, a fim de esclarecer a ilicitude da conduta de utilização das verbas fora da autorização normativa e a efetiva participação dos parlamentares”, diz o procurador, que ainda acrescentou ao STF que ‘será instaurada de Notícia de Fato no âmbito do Ministério Público Federal, para melhor esclarecimento dos fatos quanto à materialidade e autoria, para, se for o caso, em seguida, requer-se a instauração de inquérito”, afirmou Janot.

Pesa a favor dos quatro mato-grossenses o grau comparativo dos possíveis ilícitos, não só do ponto de vista de desgaste político, mas até mesmo dos andamentos jurídicos, já que em relação a tudo que anda se vendo por ai ficou até pequeno demais se preocupar com passagens aéreas pagas com dinheiro público para filhos, esposa, amante ou namorada de político, após a sociedade ter tido acesso a tantos bilhões usurpados via Petrobrás e BNDES. Estamos próximos do tempo do absurdo, onde realmente só desvio na casa dos milhões vai nos fazer “condenar” homens públicos.

 

Montreal