Inquérito da delação de Silval recebe novos documentos e indica operações
Fullbanner1



Inquérito da delação de Silval recebe novos documentos e indica operações

Fonte: Da redação com Folhamax
SHARE
Foto: Internet.

Novos documentos sigilosos foram anexados aos inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) relativos a “Operação Ararath”. A determinação partiu do relator, o ministro Luiz Fux, na semana passada.

A inserção pode resultar em notas diligências da Polícia Federal, interrogatórios e até mesmo em novas fases da operação. A revelação foi feita pela TV Centro América, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso na segunda-feira.

A delação do ex-governador Silval Barbosa e de seus familiares, como sua esposa Roseli Barbosa, seu filho Rodrigo Barbosa e seu irmão, Antônio Barbosa, juntamente com seu ex-chefe de gabinete, Silvio Cezar Correa Araújo, deram novos rumos ao inquérito relativo a Operação Ararath. Entre as ações que devem ser feitos nas diligências, estão o cumprimento de mandados e pedidos de informação para órgãos públicos e outros instrumentos.

Os pedidos seriam para esclarecer dúvidas que ainda não foram elucidadas na investigação. O conteúdo dos documentos que foram anexados recentemente ainda está mantido em sigilo e, nos bastidores, envolveria membros do Judiciário e Ministério Público Estadual.

Segundo Luiz Fux, é preciso esclarecer situações que ainda são consideradas nebulosas. Ele atendeu um pedido da Procuradoria Geral da República e deu mais 45 dias de prazo para a conclusão do inquérito.

Este período ainda pode ser estendido, tendo em vista a complexidade do caso. Em sua colaboração premiada, o ex-governador citou cerca de 220 pessos físicas e jurídicas.

Iniciada em 2013, a “Operação Ararath” investiga um esquema de corrupção. Ao todo, foram realizadas até agora 14 fases, sendo que a maior foi a fase “Malebolge” realizada em setmebro do ano passado.