Infartado, paciente espera transferência para UTI em Goiás, após intervenção da Defensoria...
Adventista

Fullbanner1


Infartado, paciente espera transferência para UTI em Goiás, após intervenção da Defensoria Pública

Fonte: Assessoria.
SHARE
Foto: Assessoria.

A Defensoria Pública de Mato Grosso (DPMT) conseguiu liminar na Justiça, com bloqueio do valor de R$ 67 mil, para transferir para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de Goiás, o paciente A.B.L., 35 anos. Ele sofreu um infarto agudo do miocárdio na segunda-feira (10/9) e aguarda, no Pronto Socorro de Barra do Garças, 521 km de   Cuiabá, pela transferência.

O defensor público que atua na área criminal em Barra do Garças, Hugo Fernandes, explica que atendeu o caso de A. na madrugada de quarta-feira (12/9), quando o juiz plantonista Michell da Silva, aceitou o pedido da Defensoria e determinou que o Estado de Mato Grosso e o município, transferissem o paciente em UTI aérea, para uma UTI com especialista em cardiologia, no prazo de 24h.

“Diante da gravidade do caso, o colega defensor que atua na área Cível e continuará com o caso, o Carlos de Souza, decidiu pedir o bloqueio de contas e o juiz Carlos Ferrari, também entendendo a gravidade, determinou o bloqueio, diante da inexistência de vaga pública e em hospitais conveniados no Estado”, disse.

Antes de encaminhar o pedido para a Justiça, a equipe da DPMT buscou orçamentos de hospitais públicos e privados, conveniados com o Estado, que tivessem estrutura e pudessem receber o paciente, mas diante da negativa de vaga pública e da recusa de vários privados em fornecer a informação, a DPMT indicou o Centro Goiano de Cateterismo, em Goiás, explicou Fernandes.

“A ausência de vaga no Sistema Único de Saúde (SUS), indicada pelos gestores da Saúde pública no processo, associada a falta de informação do custo de tratamento em hospitais privados e conveniados de Mato Grosso, nos fez buscar vaga em outro Estado. Agora, estamos fazendo os trâmites para agilizar a transferência, que será por UTI aérea”, informa o defensor.

A. precisa passar por um cateterismo e diante da gravidade da situação em que se encontra, precisa de cuidados intensivos e especializado de um profissional cardiologista. Os médicos do Pronto Socorro de Barra do Garças informaram que ele corre risco de morrer, caso o atendimento não seja prestado.

Recém Nascida – Além do caso de A., o defensor Fernandes explica que durante seu plantão nesta semana conseguiu transferir, com decisão liminar da Justiça, para uma UTI pediátrica com cardiologista, em Várzea Grande, a recém nascida I. V. A., que nasceu em Barra do Garças, no dia 9 de setembro com graves problemas respiratórios.

A bebê teve que ser entubada e passou a respirar por ventilação mecânica e os médicos da pediatria suspeitavam de doença da membrana hialina.

“Fomos atrás de outro bebê, que também precisava de UTI, mas teve melhora, graças a Deus. Lá, tomamos conhecimento da situação dessa recém nascida, que teve que passar por vários procedimentos, mas como o hospital não tem UTI Infantil e Neonatal, a vida dela estava em risco. Conseguimos a vaga e ela está em Várzea Grande, na UTI, porém, em situação muito grave”, explica o defensor.

O Hospital e Pronto Socorro de Barra do Garças conta com oito vagas de UTI adulto, todos ocupadas no momento