Indústria da construção debate destinação de resíduos durante 6º Seminário da Construção...
Supermoveis


Macropel

Indústria da construção debate destinação de resíduos durante 6º Seminário da Construção Civil

Fonte:
SHARE

Evento foi uma parceria entre Sebrae e Sinduscon Sul MT e reuniu empresários, estudantes e profissionais do setor

Redação/ Assessoria

O 6º Seminário da Construção Civil reuniu mais de 50 pessoas no auditório da Agência do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso (Sebrae-MT) em Rondonópolis. O público foi formado por empresários, técnicos e estudantes de áreas ligadas à cadeia produtiva. Eles participaram de palestras e debateram temas relacionados com a destinação dos resíduos sólidos, além de oportunidades de negócios que surgem a partir a legislação no que diz respeito à triagem, reciclagem e descarte dos materiais provenientes das obras.

O evento é uma parceria do Sebrae com o Sindicato da Indústria da Construção Civil da Região Sul de Mato Grosso (Sinduscon Sul MT), que atualmente atende 19 municípios da região e representa 600 empresas que atuam de forma direta ou indireta na indústria da construção civil.

Na opinião do presidente do Sinduscon-Sul, Wagner Gasbarro Nascimento, o seminário é importante porque trata de uma questão que é problema em todo o país, a destinação dos resíduos da construção civil. Ele lembra que 61% de todo resíduo produzido pelas cidades tem origem na construção, 28% são domésticos e 11% classificados como outros.

Ele argumenta que as empresas são obrigadas pela lei a fazer a triagem dentro do pátio, porém isto requer recursos, espaço físico e quando é feito, não há nenhum local habilitado para receber. Em Rondonópolis, o material acaba sendo descartado no lixão da cidade, tendo em vista que não há aterro sanitário e nem um ponto de recolhimento específico para o material.

Nascimento lembra que a região está crescendo muito e a expectativa é que as construções, tanto residenciais como industriais, aumentem. Com isso, a abertura de empresas que trabalham com os resíduos terá um ambiente promissor.

Atualmente, a região tem uma empresa, com sede em Rondonópolis, que recebe alguns tipos de resíduos da construção. O material é triturado e pode ser usado com cascalho nas obras. Há também outro empreendimento sendo aberto para trabalhar com o gesso. Ambas recebem apoio e orientação do Sinduscon e do Sebrae.

O gerente da Agência do Sebrae em Rondonópolis, Elson Tenório, explica que a entidade trabalha em parceira com o setor e que o tema foi escolhido com muito critério.

Os dois palestrantes que se apresentaram são referência no assunto. A engenheira Lilian Sarrouf é da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e explanou sobre a legislação vigente, bem como a dificuldade dos municípios e estados em cumpri-la.

Já Roberto Matozinho, engenheiro integrante da assessoria técnica do Sinduscon MG, falou sobre práticas exitosas da cidade de Belo Horizonte.

Entre elas, os pontos de entrega voluntária de resíduos, que funcionam com equipamentos públicos, e as fábricas de tratamento, que trituram e encaminham o material seja para produção de outros insumos, seja para utilização em caldeiras, como fonte de energia.

Ele também citou ações pontuais, como a coleta e repasse de materiais em condições de reuso para famílias carentes da região.

O evento foi encerrado com uma mesa redonda que reuniu os palestrantes e representantes das entidades.

Centro Sebrae de Sustentabilidade – O Sebrae Mato Grosso abriga o Centro Sebrae de Sustentabilidade que é referência no tema para os pequenos negócios de todo o país. Os empresários interessados em ingressar no setor, seja atuando com resíduos, reuso de água ou fontes alternativas de energia, pode procurar auxílio no centro.

Lá, estão catalogadas práticas e cases de empreendimentos que já estão no mercado e podem ser referência para o negócio desejado.

Montreal