Imã de polêmicas, Barbudo estreita amizade com Leitão
Adventista

Fullbanner1


Imã de polêmicas, Barbudo estreita amizade com Leitão

Fonte: Da Redação NMT
SHARE
Mais votado de Mato Grosso para a Câmara Federal tem tido problema em segurar a fala. Foto - Arquivo Pessoal/Redes Sociais

Como bom produtor rural, aparentemente o deputado federal eleito por Mato Grosso, Nelson Barbudo (PSL), tem ótimas relações com animais, tantos os silvestres como os de cativeiro. Um dos principais articuladores da aproximação do PSL do estado com os tucanos do PSDB, nas eleições 2018, ele parece ainda estar bem próximo de Nilson Leitão (PSDB), atual deputado federal e senador derrotado no pleito de outubro. Segundo circula nos bastidores, Barbudo estaria disposto a abrigar em seu futuro gabinete boa parte do pessoal técnico/legislativo que servirá a Leitão até o fim de dezembro.

Caso a especulação seja confirmada na prática, Barbudo teria muito a se explicar para a grande militância do PSL que nunca viu nos tucanos e de tudo que viesse deles boa coisa, tanto que a resistência para a união com o governador Pedro Taques (PSDB) no estado foi forte e o deputado eleito teve de vencer até mesmo uma determinação nacional para conseguir selar o casamento partidário. O atendimento ao pedido de Leitão então acabaria por se tornar mais uma polêmica das várias que Barbudo já vem criando antes mesmo de tomar posse.

Nos últimos dias, o campeão de votos criticou a nomeação do deputado federal pelo Rio Grande do Sul, Onyx Lorenzoni (DEM), anunciado como futuro ministro da Casa Civil e homem de confiança de Bolsonaro. A situação, por si só, é um erro político e estratégico grotesco de Barbudo, já que muito provavelmente Lorenzoni terá autonomia para ser um dos homens a tocar as ações de Governo, sobretudo junto as demandas vindas dos parlamentares, mesmo porque Bolsonaro não terá tempo para tal função. Em tempos de informação em tempo real, a crítica do mais votado de Mato Grosso já deve ter alcançado os ouvidos do gaúcho.

Como se não bastasse, Barbudo ainda disse na mesma entrevista que será candidato ao Senado Federal caso a Justiça Eleitoral dê como vaga a cadeira da eleita, Selma Arruda (PSL), que pode ser barrada por possível Caixa II, e chame novas eleições. Ocorre que o processo de cassação ainda corre e o que a ex-juíza certamente esperava, bem como boa parte de quem acompanha política diariamente, era o mínimo de decência do deputado federal eleito em defender a correligionária e descartar qualquer possibilidade de ver horizonte qualquer cenário que não seja o de vê-la assumindo e ocupando a cadeira no alto parlamento pelos próximos oito anos.

Pelo jeito, não é só a barba que é grande em Nelson, mas a língua e o olho também. Quanto ao cérebro, vamos aguardar para julgar com mais calma durante o mandato…