Hospital deve pagar R$ 200 mil para família após erro durante parto...
Fullbanner1

Fullbanner2


Hospital deve pagar R$ 200 mil para família após erro durante parto em MT

Fonte:
SHARE
Hospital Geral em Cuiabá (Foto: Leandro J. Nascimento/G1)

O Hospital Geral Universitário (HGU) foi condenado por erro médico cometido durante o nascimento de um menino em 2006, morador de Várzea Grande, região metropolitana deCuiabá. A unidade hospitalar terá que pagar R$ 200 mil, a título de danos morais, além de uma cirurgia reparadora para a criança, que hoje está com nove anos.

A decisão é do juiz Luis Otávio Pereira Marques, da Terceira Vara Cível da Comarca de Várzea Grande, que também fixou indenização equivalente a um salário mínimo por mês de pensão vitalícia (ou enquanto perdurar a incapacidade laborativa da criança), retroativo à época dos fatos. Procurada pelo site, a direção do HGU afirmou que ainda não foi intimado da decisão, mas que deverá recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), após ser notificado.

Consta no processo que, no dia 7 de junho de 2006, a mãe deu entrada no HGU em trabalho de parto, razão pela qual foi encaminhada para realização de exames clínicos de rotina. Conforme a mãe relatou na ação, após ser medicada, ela foi encaminhada para a sala de parto a pedido de uma interna (estudante de medicina), por volta das 22h15, enquanto o médico que seria responsável pelo parto realizava uma cirurgia.

A interna teria cuidado das manobras do parto sem assistência alguma, por cerca de 30 minutos, até decidir chamar a equipe de enfermagem. Ao perceber a demora na realização do parto, um outro médico que assistia pelo vidro da sala entrou e decidiu ajudar no procedimento.

A criança nasceu às 23h com parada cardíaca e hipoativo, sendo necessário ser entubado, oxigenado e levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal, onde passou 24 dias internado.

No processo, a mãe alega que “possuía todas as condições físicas para proceder com o parto normal, não existindo nenhuma complicação com a gestação que viesse a ser motivo causador das dificuldades ocorridas durante o parto que resultou com a ‘anóxia neonatal’ (falta de oxigenação do cérebro) sofrida pelo menor”.

 

Fonte: G1/MT

Montreal