Guilherme relativiza problemas de marcação: “Treinos estavam bons”
Supermoveis



Guilherme relativiza problemas de marcação: “Treinos estavam bons”

Fonte: Felipe Schmidt
SHARE

Uma das poucas boas notícias do Vasco no clássico contra o Fluminense
foi Guilherme Costa. Cria da base e tratado como joia no clube, o meio-campista
entrou no segundo tempo, fez seu primeiro jogo oficial com a camisa cruz-maltina
e recebeu raros elogios após a derrota por 3 a 0. Um dia depois, coube ao jovem
de 22 anos explicar o que aconteceu. 

As maiores críticas em relação ao time foi a dificuldade de
marcação no meio-campo – Julio dos Santos e Andrezinho, sem tanto poder de marcação, atuaram como volantes. Guilherme afirmou que, nos treinos, o time estava se
comportando bem. Mas admitiu que, no clássico, algo deu errado.

– Não temos aquele volante marcador, mas acho que o
Cristóvão procura colocar alguém naquela função ali. Os treinos estavam bons. Talvez no jogo possa não ter encaixado bem. Tenho certeza que vamos
encontrar um jogador para essa posição e melhorar no campeonato – disse em
entrevista coletiva. 

O próximo adversário do Vasco é o Bangu, em Moça Bonita, na
próxima quinta-feira. De acordo com Guilherme, a conversa entre jogadores e
comissão técnica foi de motivação, sem deixar se abater pela derrota no
clássico. 

– Ninguém gosta de perder, ainda mais clássico, da forma que
foi. Nossa conversa (depois do jogo) foi mais para levantar a cabeça. O
campeonato começou agora. Se é para perder agora, menos mau. Bola para frente.
Não tem que se lamentar. É trabalhar, treinar, procurar melhorar no que falhou
nesse jogo.

Mudança de rotina e de posição para ter chance

Apesar da expectativa sobre ele, Guilherme demorou para ter
sua primeira chance oficial. Nos treinos, ele teve de se adaptar ao esquema de
Cristóvão Borges e passou a atuar como ponta, aberto pela direita. Para ele,
essa mudança foi fundamental para ganhar espaço no time. 

– É uma posição nova para mim. Eu jogava mais centralizado.
Comecei a treinar neste ano pela ponta direita e a me adaptar, fazer o que o
Cristóvão pedia, acompanhar o lateral até o fim. Me aperfeiçoei nisso, fui indo
bem nos treinos e ele começou a ver que eu podia ter chance. Foi aí que vi o
quele gosta: marcação firme, apresentar para jogo, vir para meio e não ficar só
na ponta. 

Aliada à mudança tática, Guilherme também alterou seus
hábitos. Ele se reapresentou em 2017 com 10 quilos a menos, fruto de uma
conscientização após sofrer com lesões e não conseguir se firmar. 

– Eu me machuquei muito na transição (para os
profissionais). Ano passado eu não estava bem fisicamente. Quando machuquei o
joelho no ano passado, comecei a rever minha alimentação, a me cuidar mais. Se
eu tivesse me cuidado antes… Toda vez que machucava, continuava comendo,
ganhando peso. Tenho muito para mostrar ainda – completou. 

A expectativa, agora, é sobre a participação de Guilherme
contra o Bangu. Nesta segunda-feira, os jogadores que atuaram mais de 45
minutos contra o Fluminense ficaram no Caprres. O restante, inclusive Muriqui e
Evander, trabalhou em campo. Na terça, Cristóvão começa a montar o time para a
próxima rodada.