Guerra, Felipe Melo, Veiga… Eduardo abre o jogo sobre elenco do Palmeiras
Adventista



Guerra, Felipe Melo, Veiga… Eduardo abre o jogo sobre elenco do Palmeiras

Fonte: Felipe Zito
SHARE

Com menos de um mês de trabalho prático, Eduardo Baptista vê sua ideia de jogo ficar cada vez mais clara no Palmeiras. Desde os primeiros dias na Academia de Futebol, o treinador e seus auxiliares têm procurado evoluir o desempenho do time que conquistou o Brasileirão em novembro do ano passado. Mas nada de créditos ou ouvir que o time tem a cara do atual comandante.Em entrevista coletiva concedida após o treinamento da manhã desta sexta-feira (assista acima), Eduardo detalhou o que pensa sobre a formação e sobre a identidade que o Verdão deve ter a partir de agora.– É um pouco egoísta falar que vai ter a cara do Eduardo Baptista. O Palmeiras tem de ter a cara do Palmeiras. Um time sem a bola extremamente agressivo, no bom sentido, marcação forte, sem espaço e não deixar o adversário pensar. Tentar pegar lá em cima. E com a bola uma equipe valente, ousada, que jogue, com dois meias flutuando nas linhas adversárias, com os dois externos aberto ou dentro, com centroavante de mobilidade, criando chance e fazendo gols. Não é a cara do Eduardo Baptista, é a cara do Palmeiras. Esse é o nosso objetivo – afirmou.

Com um elenco em alta e fortalecido durante a pré-temporada, Eduardo Baptista evita antecipar a definição da equipe titular. O discurso no dia a dia da Academia de Futebol é que todos os atletas começam 2017 brigando por posição. Do goleiro ao centroavante.Depois de enfrentar União Barbarense, Chapecoense e Atibaia, o Verdão encara a Ponte Preta, em amistoso que será disputado no próximo domingo. O jogo será fundamental para a definição dos 28 atletas que serão inscritos para a disputa da primeira fase do Paulistão.– Esse jogo contra a Ponte marca o fim da pré-temporada. Conseguimos fazer quase 100% do que planejamos graças a colaboração dos atletas e do estafe. Essa decisão (de time titular) ainda é semana que vem. Prass deve jogar contra a Ponte. Quem jogar domingo não quer dizer que está garantido para jogar contra o Botafogo. Semana que vem tomamos a melhor decisão – afirmou.

LEIA MAIS:> Bate-papo e ausências de Guerra e Keno marcam treino do Palmeiras> Renovação à vista: em alta, Dudu tem conversa com Palmeiras sobre futuroVeja o que o treinador pensa sobre a equipe palmeirense:Goleiros– Antes era inimaginável ter o trio de ferro com seis goleiros. Mostra que o Brasil está evoluindo. Dez anos atrás você tinha um goleiro top e outro para tapar buraco. Hoje temos goleiros brigando por posição. Com o elenco que o Palmeiras formou ninguém é dono da posição. Estamos observando. Tenho tranquilidade que quem eu escolher não vou errar. Prass é inquestionável, se machucou na Seleção olímpica, e ai veio o Jailson. Ele foi peça fundamental para o título do Palmeiras. Se o Jailson não responde talvez não tivesse sido campeão. Tenho dois grandes goleiros. Tentar ser justo e tentar tomar decisão para o bem da equipe.Ataque– Quando você tem três características (Barrios, Alecsandro e Willian), testei o Erik também, você pode colocar de acordo com o adversário. Se marca mais à frente preciso de mobilidade maior. Willian, Erik, algumas ideias que ainda quero testar. Se marcar mais embaixo preciso de alguém na área, Alecsandro e Barrios me dão essa opção. Vou montar de acordo com o adversário que vamos enfrentar.Raphael Veiga– Acompanhei no segundo turno com o Coritiba, a reação tem muito do Veiga ali. Fico contente que ele chegou e não sentiu peso, tomou conta, jogando aberto e por dentro, mostrou personalidade. Algumas correções ele aplica nos treinamentos. Está concentrado e preparado. Entra de igual para igual com todos.Dudu– Fez a maior parte (no ano passado) pelo lado esquerdo, jogou algumas vezes por dentro. Agora o Tite deu oportunidade na direita. Isso mostra que o jogador é versátil. No primeiro tempo (contra o Atibaia) o time foi muito próximo do que pensamos em time ofensivo, as trocas têm liberdade desde que ocupem espaço. É importante que não fiquem dois abertos e dois por dentro. Eles têm total liberdade de movimentação com responsabilidade e de ocupar espaço.Felipe Melo– Conversamos, como converso com Zé, Edu, Prass, Alecsandro, Barrios. São jogadores experientes que se você se fechar perde informações importantes. Ele vem do futebol europeu que é onde as coisas acontecem muito próximo do que eu penso. Tem um sistema de marcação pesado, tiramos informações. Estamos abertos a conversar para o bem da equipe.Vitinho– Ele vem de uma pré-temporada boa, uma participação boa contra a Chapecoense. É um menino que tem dado resposta boas. Para todo mundo procura um lugar, queremos que cause um bom incomodo, para quebrar a nossa cabeça. É a nossa função.Guerra– A burocracia é pesada. Ele tem de sair para tirar o visto, volta, é demorado mesmo. Já está bem adiantado. Acredito que não estreie contra o Botafogo, mas contra o Ituano tem grande expectativa. Importante que já está treinando, tem contato com o grupo. Fisicamente está pronto. É um cara leve, que se cuida, já entendeu o espírito, já se adaptou. É um jogador versátil. Pode jogar por dentro como meia, sabe fazer o terceiro homem no 4-1-4-1, pode jogar aberto, já jogou de falso 9. Preciso conhecê-lo mais. A partir da semana que vem deve estar mais presente. Vamos ter um jogo na segunda de manhã e pretendo utilizá-lo. Quero experimentar na melhor função e depois testar outras formações.Barrios– Estamos observando os três. Existe expectativa no Willian e no Alecsandro também. O Barrios tem feito bons treinamentos. O trabalho que eu faço é municiar a área com bola, preparamos para tentar dar uma melhor condição para poder concluir em gol. Os três estão treinando bem. A decisão que a gente tomar, se for o Barrios, cabe a ele tomar conta da posição.Definição da equipe– Chegamos às 7h30, sentamos e conversamos. Acaba o jogo vamos lá para dentro, filmamos e observamos. Tentar ser o mais justo possível para escalar quem estiver em melhores condições para o que pensamos. Vai ter erro e acerto, importante que o atleta veja que estamos tendo coerência.