Grupo faz ato em GO em apoio à Lava Jato e contra...
Fullbanner1



Grupo faz ato em GO em apoio à Lava Jato e contra reforma da Previdência

Fonte: Do G1 GO
SHARE

Um grupo de manifestantes faz na tarde deste domingo (26), em Goiânia, um protesto contra a corrupção, em defesa da Operação da Lava Jato e contra a reforma da Previdência Social. De acordo com os organizadores, 1 mil pessoas participam do protesto. Já o tenente-coronel Danilo Braga, da Polícia Militar, estima que são 300.

O ato começou por volta das 14h na Praça Tamandaré, no Setor Oeste. De acordo com um dos organizadores do protesto, Marco Aurélio Lemes Bezerra, do Movimento Vem Pra Rua, o ato tem o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do combate à corrupção, além de pedir o fim do foro privilegiado e contra a proposta de eleições parlamentares em lista fechada, proposta em discussão no Congresso Nacional.

“É um ato para dar força à Lava Jato e às conquistas que a operação tem trazido para acabarmos com os mau feitos na classe polícia. Somos contra as reformas que prejudicam a população, a classe trabalhadora e o foro privilegiado, que favorece a classe polícia”, disse ao G1.
Participam do ato, além do Movimento Vem pra Rua, o Movimento Nas Ruas e o Movimento Brasil Livre Goiás. Os manifestantes gritam palavras de ordem contra o governo de Michel Temer (PSDB), em defesa do juiz Sérgio Moto, e portam cartazes que pedem o fim da corrupção.

Reforma da Previdência
O governo de Michel Temer (PMDB) detalhou, no fim do ano passado, pontos da reforma que quer promover na Previdência Social. O texto em apreciação no Congresso Nacional prevê, entre outras coisas, o estabelecimento de 65 anos como idade mínima para os contribuintes reivindicarem a aposentadoria.

Além de fixar uma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. De acordo com o governo, a única categoria que não será afetada pelas novas normas previdenciárias é a dos militares.

Pelas regras propostas pela gestão Temer, o trabalhador que desejar se aposentar recebendo a aposentadoria integral deverá contribuir por 49 anos.

O governo federal estima que deixará de gastar cerca de R$ 740 bilhões em 10 anos, entre 2018 e 2027, com as mudanças propostas por meio da reforma da Previdência Social. Desse valor total, as mudanças no INSS e nos benefícios por prestação continuada (BPC) representariam uma economia de R$ 678 bilhões e, nos regimes próprios, de cerca de R$ 60 bilhões.