Grupo de Mauro tenta impedir pós-operatório de pacientes da Caravana da Transformação
Fullbanner1



Grupo de Mauro tenta impedir pós-operatório de pacientes da Caravana da Transformação

Fonte: Da redação
SHARE
Foto: Assessoria

O Partido Democrático Trabalhista (PDT), aliado do pré-candidato ao Governo do Estado Mauro Mendes (DEM), teve negado na Justiça um pedido de suspensão de atendimentos da Caravana da Transformação, programa oferecido desde 2016 pela atual gestão, que leva atendimentos em saúde e cidadania aos municípios. Se tivesse sido acatada judicialmente, a solicitação poderia ter causado danos irreversíveis a pessoas submetidas a cirurgias de catarata.

O partido ingressou com o pedido na Justiça alegando que o programa, que já transformou a vida de mais de 66 mil pessoas que voltaram a enxergar por conta das cirurgias oftalmológicas, teria cunho político e objetivo único de promover a imagem do governador Pedro Taques (PSDB) com vistas ao pleito deste ano. Não foi o que entendeu a Justiça, que além de negar o pedido de suspensão, também indeferiu a aplicação de multa solicitada pela oposição de Taques.

Além de colocar-se contrário à prestação de serviços essenciais aos mais necessitados, o grupo de Mendes tentou impedir que pós-operatórios, fase crucial para a recuperação de pacientes submetidos a cirurgias de catarata, fossem realizados após a última edição da Caravana da Transformação, que ocorreu entre os dias 21 de maio e 03 de junho deste ano, em Sinop.

Conforme explicita a defesa, o último pós-operatório da Caravana é o de alta, realizado 30 dias após a cirurgia. Assim, todos os pacientes que passaram por cirurgia são convocados novamente à cidade-sede. Em Sinop, este atendimento ocorreu entre os dias 03 e 06 de julho e não a Caravana em si, que se encerrou no dia 03 de junho, ou seja, um mês antes do alegado pelo grupo de Mendes.

Segundo a resposta da assessoria jurídica do PSDB, a ação irresponsável poderia ter tido efeitos graves e irreversíveis à saúde da população.

“[O pedido na Justiça] por si só já revela uma insensibilidade abissal, para dizer o mínimo. Ao que parece, o representante confunde o papel da oposição. Esta deve, sim, apontar os erros dos governantes. Porém, jamais deve chegar-se ao sadismo de causar sofrimento à população (neste caso colocando a saúde em risco) apenas no intuito de causar desgaste ao governante”, diz trecho da representação.

A Caravana da Transformação já percorreu praticamente todas as 16 microrregiões de saúde de Mato Grosso desde o seu lançamento, oferecendo serviços em uma cidade-sede à qual as cidades do entorno se dirigem. Foram três edições em 2016, oito em 2017 e apenas três em 2018, o que demonstra, de acordo com a defesa de Taques, que não há cunho eleitoreiro e, sim, a entrega itinerante e ágil de serviços ordinários.

“Aliás, não se trata sequer de programa social de caráter assistencial, pois não há concessão de benefícios aos cidadãos, se não os próprios serviços que já são ordinariamente realizados pelo Estado, que são levadas ao encontro da população”, explica ainda a defesa.

Ao todo, a Caravana já realizou 66.409 cirurgias oftalmológicas, sendo 52.323 de catarata – que devolvem a visão às pessoas. Foram mais 88 mil consultas e quase 350 mil atendimentos de cidadania, como emissão de documentos.

Com a divisão regional do programa, os 141 municípios já foram contemplados com o serviços. As edições da Caravana ocorreram em: Barra do Bugres, Peixoto de Azevedo, Canarana, Jaciara, São José dos Quatro Marcos, Porto Alegre do Norte, Alta Floresta, Barra do Garças, Juína, Tangará da Serra e Rondonópolis, Cáceres, Cuiabá e Sinop.